Polícia de SP ouve suspeitos de atuarem como black blocs em manifestações

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Delegados do Deic perguntaram a todos os convocados se eles são ou não filiados a algum partido político

Agência Estado

Tiago Mazza/Futura Press
Suspeitos usarem tática black bloc prestam depoimentos no Deic

Desde as 9 horas desta quinta-feira (14), delegados do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) de São Paulo colhem depoimentos de detidos durante manifestações nos últimos meses na capital paulista. Foram convocados 80 manifestantes. Até as 16 horas, mais de 50 haviam sido ouvidos.

Conheça a nova home do Último Segundo

O principal alvo dos black blocs é a Copa do Mundo, diz pesquisadora

De acordo com advogados que representam parte dos ativistas, eles não são adeptos da tática anarquista Black Bloc, nem promoveram atos de vandalismo. A defesa de apenas um deles confirmou, no entanto, que o cliente, cuja identidade não revelou, foi um dos que invadiram a loja Tok Stok da Marginal do Pinheiros, na zona sul, durante protesto no dia 15. Mas, segundo o advogado Geraldo Santamaria Neto, o manifestante cliente não depredou o local.

Black blocs e polícia vivem guerra de táticas

Entenda o grupo: Black Blocs chegam à segunda geração no Brasil

Ao longo de todo o dia, os ativistas foram indagados sobre a atuação política. Conforme advogados ouvidos pela reportagem, os delegados do Deic perguntaram a todos os convocados se eles são ou não filiados a algum partido ou ainda se colaboram com alguma legenda. Até agora, nenhum deles foi indiciado ou preso. Os depoimentos seguem até o fim da tarde.

Leia tudo sobre: GERALigspblack blocmanifestaçõesprotestosSão Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas