Padrasto nega participação em morte do menino Joaquim

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Principal suspeito do assassinato, Rayme Longo disse ainda que se autoaplicou 30 doses de insulina da criança

Agência Estado

O padrasto de Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, o técnico de informática Guilherme Rayme Longo, de 28 anos, negou à Polícia Civil de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, ter participado da morte do menino. Em depoimento de mais de quatro horas, na tarde desta quarta-feira (13) o principal suspeito do assassinato disse ainda que se autoaplicou 30 doses de insulina da criança.

Conheça a nova home do Último Segundo

Relembre os crimes que chocaram o Brasil

Reação da mãe de Joaquim mudou após ver o corpo da criança, diz delegado

Futura Press
O padrasto de Joaquim, Guilherme Raymo Ponte, foi preso nesse domingo, após corpo do menino ser encontrado (10)

Longo é o principal suspeito do assassinato de Joaquim, que desapareceu na madrugada do dia 5. O corpo da criança foi encontrado em um rio, no domingo (10) após seis dias desaparecido. O padrasto, segundo seu advogado Antonio Carlos de Oliveira, também negou as afirmações da mãe de Joaquim, Natália Ponte, de 29 anos, de que eles tinham um relacionamento conturbado e que chegou a agredi-la. "Foram desentendimentos comuns, não houve agressão", afirmou o advogado.

Polícia busca provas para indiciar padrasto de Joaquim

A polícia busca ainda saber qual a participação da mãe do menino, a psicóloga Natália Ponte, de 29 anos, na morte do garoto. "A participação dela ainda não está descartada. Queremos saber o que aconteceu naquela noite", afirmou o delegado Paulo Henrique de Castro, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

Leia tudo sobre: GERALCaso Joaquim

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas