Em cinco dias, SP bate recordes de frio e calor

Por Agência Estado |

Texto

Tarde paulistana teve temperatura mais baixa desde 1999 na última quarta (6) e a mais alta do ano na segunda (11)

Agência Estado

A cidade de São Paulo passou do maior frio desde 1999 ao recorde de calor de 2013 em apenas cinco dias. Nesta segunda-feira (11), o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou 34,2°C durante a tarde, a maior temperatura de 2013 - a máxima anterior era de 34°C, marcada em 18 de fevereiro. Já na quarta-feira (6), foi registrada a tarde mais fria de novembro desde 1999: os termômetros marcaram 16,4ºC.

Conheça a nova home do Último Segundo

Dario Oliveira/Futura Press
Cidade Universitária em mais um dia de calor em SP

"Viemos num processo gradual de aquecimento desde a semana passada. No final de semana, tivemos intensificação de massa de ar quente e seca sobre o Estado. Sem umidade suficiente para formação de nebulosidade, a temperatura dispara", afirma o meteorologista Marcelo Pinheiro, da Climatempo.

A reclamação por causa do calor foi grande nas redes sociais. "São Paulo é 8 ou 80. Ou está um frio do Alasca ou um calor do deserto", disse Carol Russo, pelo Twitter. Lucas Alves também criticou: "O ruim de São Paulo é que quando fica quente, fica muito quente e abafado e aí você não sabe se morre de calor ou de falta de ar."

A sensação de falta de ar foi mais intensa em alguns pontos da capital paulista. A umidade relativa do ar ficou em torno dos 35% na Grande São Paulo, mas ao redor do aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital, alcançou 28%, o que configura estado de atenção. Mesmo assim, as pessoas aproveitaram o sol e lotaram os parques. As primas Letícia Carvalho Marques, de 8 anos e Esmeralda Castro Nunes, de 2, usaram a água da irrigação do viveiro de plantas Manequinho Lopes, no Parque do Ibirapuera, para se refrescar enquanto brincavam.

No Rio, o calor levou as pessoas à praia. A rede Alerta Rio, da Prefeitura, registrou a maior temperatura desta primavera, às 17h, na estação de São Cristóvão: 39,2°C. Mas o pior foi a sensação térmica, de 43°C. Hoje a máxima esperada é de 40°C.

Madrugada

Esta também foi a madrugada mais quente do ano na capital, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Na estação de medição do Mirante de Santana, na zona norte da capital paulista, foram registrados 24,1ºC de temperatura mínima, colocando a madrugada como a mais quente desde 31 de outubro de 2012, quando houve marcação de 24,9ºC.

Também foi a madrugada mais quente em um mês de novembro na cidade desde 1979, segundo o Inmet, que desconsidera, no entanto, dados de 1983, 1987 e de 1991 a 1997. Neste período, a madrugada mais quente em um mês de novembro havia sido registrada nos dias 18 de novembro de 2006 e 28 de novembro de 2002. Em ambas as datas, a temperatura mínima antes do amanhecer havia sido de 23,3ºC.

Previsão

O tempo ensolarado em São Paulo não vai durar. Nesta terça-feira (12), com a chegada de uma frente fria vinda do sul do País, a previsão é de chuva forte, trovoadas, rajadas de vento e possibilidade de queda de granizo no Estado. A máxima, no entanto, continua alta, em 30°C. Na quarta-feira (13), a temperatura cai. "O pessoal vai novamente reclamar, porque não deve passar dos 23°C", diz Pinheiro. Já o feriado do Dia da Proclamação da República, na sexta-feira, 15, será quente, com máxima de 29°C.

Leia tudo sobre: igsptempoprevisão
Texto

notícias relacionadas