Com pompa, vira-lata comanda cortejos em cemitério de São Paulo

Por Carolina Garcia - enviada a São José dos Campos (SP) | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Adotado por coveiros, animal dá apoio a familiares e conquista posto de mascote em cemitério do interior

Marujo a frente de um cortejo no Cemitério Municipal Colônia Paraíso, em São José dos Campos. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloMarujo foi adotado por coveiros há três anos e desde então é o mascote do Colônia Paraíso. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloUma cena comum no cemitério é ver Marujo deitado próximo aos velórios. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloPara os agentes funerários, Marujo aguarda os sepultamentos. Ele determina velocidade e o tempo do cortejo. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloO cão ainda espalha 'cheiradas' entre os familiares do falecido. Foto: Carolina Garcia / iG São Paulo'É ele quem dita as regras por aqui. Esse cemitério devia se chamar Paraíso do Marujo', diz Edson. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloCão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São PauloCão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São PauloCão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São PauloPotes de água foram distribuídos pelo cemitério. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloCão recebe carinho de Hebert Silva, de 25 anos, um dos funcionários da funerária. Foto: Carolina Garcia / iG São PauloCão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São PauloA história do cão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São PauloA história do cão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São PauloA história do cão Marujo, o mascote do cemitério de São José dos Campos (SP). Foto: Carolina Garcia / iG São Paulo

Há pelo menos três anos as cerimônias de sepultamento do Cemitério Municipal Colônia Paraíso, em São José dos Campos (SP), ganharam nova rotina: a companhia de um vira-lata que, disciplinado e pomposo, guia os enterros impondo a eles seu próprio ritmo.

Leia também:
Histórias de fantasmas rondam funcionários de funerária em São Paulo
Velório virtual e sepultura on-line modernizam funerária no interior
Com caixão gay e cortejo em limusine, feira funerária tenta suavizar morte 

Para Edson Diniz Machado, de 42, administrador do cemitério, o local deveria se chamar “Paraíso do Marujo”, como o cachorro - que dita as regras por lá - foi batizado. "Uma vez tentaram ‘acelerar’ os sepultamentos porque tinha uma fila. Mas o Marujo não aceitou e empacou no meio do caminho. Acho que ele pedia mais respeito, e seguimos a velocidade que ele ditava”. Muito magro, o cão foi abandonado na região do cemitério há três anos. Adotado pelos funcionários, é alimentado por meio de uma vaquinha organizada pelos coveiros.

Assista ao depoimento do coveiro Agdo Bispo de Jesus, o Bispo:

Os métodos do animal durante as cerimônias surpreendem. Timidamente Marujo se aproxima do velório e espera a hora de agir. A deixa é a chegada do carro da funerária com a estrutura metálica que sustentará o caixão para o início do cortejo. Ao lado de familiares, o cão distribui “cheiradas” antes de assumir os trabalhos. “No começo muitos destratavam ele, achavam errado a presença de um cão durante o enterro, mas depois viram que ele respeita mais do que muita gente”, diz Machado. O animal também participa de exumações, quando ganha a função de matar baratas e escorpiões que vivem nas covas. 

Leia tudo sobre: marujocachorrocãosão josé dos camposcortejomortedia de finados

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas