Morre empresário baleado com seis tiros nos Jardins

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Mulher que estava ao lado dele no carro também foi baleada, mas passa bem

Agência Estado

O homem de 51 anos que foi baleado dentro do carro na manhã desta segunda-feira, 28, na Avenida 9 de Julho, no Jardim Paulista, região central de São Paulo, identificado com Carlos Eduardo Coelho Hirsch, não resistiu e morreu no fim da tarde. Uma mulher de 22 anos também foi baleada.

Conheça a nova home do Último Segundo

Leia mais: Casal é baleado na avenida Nove de Julho

O crime aconteceu perto do cruzamento com a Alameda Lorena e as duas vítimas foram socorridas a hospitais da região: Hirsch levou seis tiros e foi encaminhado em estado grave ao Hospital das Clínicas (HC). A mulher, identificada como Flávia Silva Martins, que dirigia o Voyage onde os dois estavam, foi atingida por um disparo e levada à Santa Casa, onde passa bem.

Renato S. Cerqueira/Futura Press
Tentativa de assalto na avenida Nove de Julho, esquina com alameda Lorena, em São Paulo (SP)

De acordo com a Polícia Militar (PM), os tiros foram disparados contra o veículo quando ele estava parado no sinal vermelho. Segundo a PM, a corporação recebeu uma ligação no Disque-Denúncia na qual uma pessoa informava que o atirador saiu de um carro de trás do Voyage e efetuou os tiros da calçada e fugiu a pé.

Luis Guilherme Brandão Pinheiro, delegado do 78º DP , afirmou que se investiga, a princípio, uma tentativa de homicídio. Ele ainda confirmou que Hirsch e Flávia são um casal. O delegado chegou a conversar com ela na Santa Casa. Moradores e comerciantes da área disseram que o caso pareceu uma execução.

Um comerciante relatou que o atirador se dirigiu calmamente à Rua Pamplona depois de efetuar os disparos. No caminho, ainda teria dito: "Fica na sua. É mais um judas no inferno". De acordo com a testemunha, o homem aparentava ter entre 40 e 50 anos e vestia uma camisa do time italiano Inter de Milão. Outro comerciante também afirma ter visto o suspeito fugir. "Escutei os disparos e as motos que estavam passando começaram a acelerar. Aí eu vi um homem branco caminhando calmamente e colocando uma arma na cintura."

Leia tudo sobre: igspavenida nove de julhoviolência

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas