Justiça nega liberdade provisória a suspeito de agredir PM em protesto em SP

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Estudante de 24 anos é um dos 92 manifestantes detidos na sexta-feira; apenas ele e mais sete continuam presos

Oito dos 92 detidos pela polícia durante o protesto pelas melhorias no transporte, na sexta-feira (25), continuam presos. Entre eles está o estudante Paulo Henrique Santiago dos Santos, de 24 anos, acusado de agredir o coronel Reynaldo Rossi. Um pedido de liberdade provisória para o rapaz foi negado neste domingo (27) pelo plantão judiciário da capital. 

Conheça a nova home do Último Segundo

O advogado de Santos, Guilherme Silveira Braga, afirma que o rapaz não participou do espancamento do coronel. "Ele foi acusado porque seu rosto aparece em uma foto em que rapazes estão agredindo o policial. Mas ele não participa da agressão", afirma. "Ele é inocente. Não é um black bloc. É aluno de Relações Internacionais, trabalha em uma multinacional e essa prisão está acabando com a vida dele." Braga vai entrar com pedido de habeas corpus nesta terça-feira (29).

Assista ao momento em que o policial é agredido:

Resposta

O Movimento Passe Livre divulgou no domingo uma nota na internet sobre a Semana Nacional de Lutas pelo Transporte - a série de protestos que terminou na sexta com o confronto com a polícia. "Infelizmente essas manifestações acabaram publicadas nas páginas policiais. Não apoiamos o que aconteceu com o coronel da PM, mas também condenamos o atropelamento de manifestantes por um delegado no Grajaú na quarta-feira (23)". O texto cita outros casos de abusos cometidos pela polícia.

Leia também:

Protesto termina em quebra-quebra e dezenas de presos em São Paulo

Coronel da PM tem a clavícula quebrada e a arma roubada em protesto em SP

Dilma classifica como "barbárie" vandalismo durante protesto

Já as diversas páginas black blocs de São Paulo também comentaram o espancamento do coronel. Vídeos que mostram as agressões ao PM são editados de forma a mostrar cenas de policiais espancando pessoas na rua em outras manifestações. Os integrantes da página chamam a tentativa de linchamento de "reação" à violência policial desenvolvida nas manifestações de rua.

Veja fotos do protesto de sexta-feira:

Em protesto em São Paulo, grupo invade terminal e queima ônibus. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressÔnibus foram depredados e queimados no Terminal Parque Dom Pedro 2º em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressPolicial é ferido em invasão ao terminal Dom Pedro 2º, na região central de São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestante depreda agência bancária durante protesto. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes depredam ônibus, caixas eletrônicos e catracas em invasão ao terminal Dom Pedro 2º. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressÀ tarde, manifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) realizam protesto em frente ao Teatro Municipal, no centro de São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) realizam protesto por melhoria do transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) saem em passeata pelas ruas do centro de São Paulo . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) realizam protesto por melhoria do transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressMuitos manifestantes estavam mascaradas, a estratégia usada pelos black blocs. Foto: Gabriela Bilo/Futura Press


*Com informações da Agência Estado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas