Protesto termina em quebra-quebra e presos em São Paulo

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestante e policiais entraram em confronto no Terminal Parque Dom Pedro 2º; 78 pessoas foram detidas

Gabriela Bilo/Futura Press
Manifestantes queimam catraca de papel em protesto por melhoria no transporte público

Manifestantes e integrantes do Movimento Passe Livre (MPL) saíram em passeata, nesta sexta-feira (25), por ruas do centro de São Paulo, em protesto por melhorias do transporte público. A manifestação (iniciada no Theatro Municipal), que começou pacífica, tomou proporções violentas por volta das 20h20, quando um grupo de mil pessoas invadiu o Terminal Dom Pedro 2º e quebrou um ônibus.

Conheça a nova home do Último Segundo

Veja imagens de ruas de São Paulo pelo Vejo ao Vivo

O tumulto se generalizou, com alguns manifestantes quebrando janelas dos coletivos  e outros danificaram caixas eletrônicos que ficam no terminal, picharam coletivos e depredaram bilheterias. A polícia reagiu atirando bombas de efeito moral, dispersando o protesto.

Em protesto em São Paulo, grupo invade terminal e queima ônibus. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressÔnibus foram depredados e queimados no Terminal Parque Dom Pedro 2º em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressPolicial é ferido em invasão ao terminal Dom Pedro 2º, na região central de São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestante depreda agência bancária durante protesto. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes depredam ônibus, caixas eletrônicos e catracas em invasão ao terminal Dom Pedro 2º. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressÀ tarde, manifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) realizam protesto em frente ao Teatro Municipal, no centro de São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) realizam protesto por melhoria do transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) saem em passeata pelas ruas do centro de São Paulo . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes do Movimento Passe Livre (MPL) realizam protesto por melhoria do transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressMuitos manifestantes estavam mascaradas, a estratégia usada pelos black blocs. Foto: Gabriela Bilo/Futura Press

Por volta das 21h, um grupo na região da Praça da Sé e outra em frente à Prefeitura de São Paulo tentavam prosseguir com a manifestação sob a mira de um helicóptero Águia, da PM. De acordo com uma nota emitida pela Polícia Militar, 78 pessoas foram presas em razão do tumulto no terminal (veja abaixo nota na íntegra).

Passeata por ruas do centro

A passeate que pediu melhorias no transporte público começou na região do Theatro Municipal e foi pacífica em todo o seu trajeto. Na avenida 23 de Maio, no sentido centro, manifestantes tentaram atear fogo em uma catraca gigante. Por onde o protesto passou, o tráfego ficou impedido. 

“O direito ao transporte público dá acesso a todos os outros direitos fundamentais. Uma pessoa que não tem os R$ 3 para se locomover em São Paulo é excluída de vivenciar a cidade e chegar ao hospital ou a uma escola”, disse o militante do MPL Matheus Preis, antes do protesto.

A polícia acompanhou a passeata sem intervir. Segundo contagem da Polícia Militar, o ato reuniu cerca de 2.000 pessoas. A PM destacou uma equipe para filmar a manifestação e acompanhar o comportamento dos manifestantes. Mesmo assim, alguns lojistas optaram por baixar as portas.

"Nos comprometemos a fazer um protesto pacífico", disse Nina Campello, integrante do Passe Livre. O tenente-coronel Wagner disse que policiais infiltrados identificaram que cerca de 100 manifestantes apresentavam características de black blocs: roupas pretas e máscaras.

Este foi o quarto protesto com participação do MPL nesta semana - o primeiro na região central. Na segunda-feira, o grupo apoiou revindicações de moradores no M'Boi Mirim; na quarta-feira, no Grajaú; e na quinta-feira, no Campo Limpo. O movimento também critica a mudança nas linhas de ônibus.

O protesto desta sexta-feira faz parte da "Semana de Luta por Transporte Público", que já é realizada pelo MPL desde 2005. A semana de luta é celebrada este mês por conta dos atos do dia 26 de outubro de 2004, conhecidos como "revolta da catraca".

Gabriela Bilo/Futura Press
Black blocs fazem cordão de isolamento na frente dos policiais na concentração da passeata no centro do São Paulo

Mais: SPTrans muda 46 linhas de ônibus na zona leste de São Paulo neste sábado

Na época, o MPL conseguiu a aprovação do passe livre para estudantes de Florianópolis. "Hoje, nós não lutamos mais para o passe livre dos estudantes, porque entendemos o transporte como um direito. E ele deve ser para toda a população", afirmou Caio Martins, 19 anos, militante do MPL.

Nota da Polícia Militar

"Criminosos travestidos de manifestantes agridem Coronel da Polícia Militar.

A Polícia Militar esclarece que nesta data (25), realizava o acompanhamento da manifestação “Mobilização do MPL/SP- Semana de Luta Pelo Transporte Público”, com a finalidade de garantir o direito de manifestação como também o direito de ir e vir e de preservar o patrimônio público e privado.

Desde o início da Manifestação foi percebida a presença de integrantes “Black Blocs” que gritavam palavras de ordem contra a PM, bem como tentavam provocar os PMs a alguma reação violenta para fins midiáticos.

No Parque Dom Pedro os “Black Blocs” passaram das palavras à ação e iniciaram um confronto com os policiais militares, neste episódio eles agrediram, de forma covarde, o Cel PM Reynaldo Simões Rossi, comandante do policiamento da área centro e seu auxiliar, roubando a pistola calibre .40 e o rádio comunicador do Oficial.

O Cel PM Reynaldo teve a clavícula quebrada e muitas escoriações na região da face e cabeça, sendo socorrido ao Hospital das Clínicas juntamente com seu auxiliar, soldado da PM que teve ferimentos e passa por atendimento médico.

Integrantes do "Black Block", no Parque Dom Pedro, picharam as colunas do terminal, depredaram vários ônibus, caixas eletrônicos e instalações. Também atearam fogo em cones.

Manifestantes também depredaram a subprefeitura da Sé na rua Álvares Penteado e alguns mascarados roubaram cerca de 1.500 reais de uma cabine do terminal Dom Pedro. Cerca de 15 caixas eletrônicos foram danificados pela região.

Diante este cenário equipes do Comando de Choque, usando de técnicas de CDC, detiveram 78 pessoas que foram conduzidas para o 2 e 78º D.P."


Leia tudo sobre: manifestaçãoprotestosão pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas