Executiva é morta pelo marido em São Paulo, diz polícia

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo polícia, homem teria atirado na esposa e tentado se suicidar depois. Motivo do crime ainda é desconhecido

A executiva da Editora Abril Tatiana Castro Pinho, de 36 anos, foi morta na madrugada desta sexta-feira (25) na casa onde morava com o marido e o filho de dois anos, no bairro do Ipiranga, zona sul de São Paulo. O marido é o principal suspeito.

Conheça a nova home do Último Segundo

Relembre os crimes que mais chocaram o País

Veja abaixo como estão casas de crimes famosos:

Após a morte do casal Richthofen, em 2002, a residência segue vazia e pichada com frases ofensivas a filha do casal. Foto: Renan Truffi/iG São PauloCasa da família Peukert continua vazia quase 30 anos após chacina. Foto: Renan Truffi/iG São PauloCasal comprou o apartamento dos Nardoni, cinco anos após morte de Isabella. Foto: Renan Truffi/iG São PauloAtualmente, edifício Roma tirou placa com nome da fachada para evitar curiosos. Foto: Alex Falcão/Futura PressCasa na rua Cuba, no Jardim Europa, foi vendida apenas 14 anos depois do crime. Foto: Google Street ViewNova proprietária da casa onde morreu Eloá Pimentel reclama do assédio da imprensa. Foto: Paulo Fischer/Futura PressSegundo advogado, sítio do goleiro Bruno foi “fácil de vender” e um rapaz comprou “para o pai dele morar”. Foto: Cristiano Couto/ Hoje em Dia/ Futura Press

Segundo a polícia, Eduardo Marchese, 38 anos, teria atirado na cabeça de sua esposa e tentado se suicidar logo em seguida.

Em depoimento à polícia, a mãe do autônomo disse que recebeu uma ligação do filho por volta das 3h, pedindo que ela fosse até a casa dele para cuidar do filho do casal. Preocupada, a mãe chegou à residência por volta das 3h30.

Mais: 

Povo não crê em crimes de pessoas bonitas e famílias harmônicas, diz psiquiatra
Mãe e quatro filhos são encontrados mortos em condomínio na Grande SP

No local, ela encontrou a criança sentada na sala e o casal ferido no quarto. A equipe de socorro foi acionada, mas a executiva morreu no local. O marido suspeito foi socorrido e levado em estado grave ao hospital de Heliópolis, onde permanece internado.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a arma, um revólver de calibre 38,  que teria sido usada no crime foi apreendida pela polícia. O motivo do crime ainda é desconhecido.

Leia tudo sobre: crimeexecutivazona suligsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas