Prefeitura é condenada a pagar R$ 5 milhões por atraso na Feira da Madrugada

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Justiça cobra o acúmulo de uma multa diária de R$ 100 mil que a Prefeitura é obrigada a pagar por não cumprir a promessa de entregar a reforma até o dia 3 de setembro

Reprodução
"Determino ao município que promova o depósito judicial no prazo de 48 horas"

A Justiça condenou a Prefeitura de São Paulo a depositar ainda nesta quarta-feira (23) uma multa acumulada de R$ 4,9 milhões por atrasar a reforma da Feira da Madrugada, um dos maiores centros de comércio popular do Brasil. Até ser fechado, em maio, o terreno de 136 mil metros quadrados no bairro do Brás atraía 15 mil compradores diariamente em suas quase cinco mil lojas.

A decisão do juiz federal Victorio Giuzio Neto foi tomada em audiência na última segunda-feira (21), quando ele executou um despacho anterior, proferido no dia 4 de julho, que estipulava multa diária de R$ 100 mil se a Prefeitura não cumprisse a promessa de entregar a reforma da feira em 60 dias, prazo encerrado em 3 de setembro.

Leia também: Sem trabalho, ambulantes da Feira da Madrugada tomam o Brás

"Determino ao município que promova o depósito judicial no prazo de 48 horas em favor deste Juízo e vinculado a estes autos no valor de R$ 4,9 milhões correspondentes a R$ 100 mil diários contados desde o dia 3 de setembro até a presente data", escreveu o juiz. A partir do dia 22, os depósitos judiciais de R$ 100 mil deverão ser diários, o que eleva a multa acumulada a R$ 5,1 milhões.

De volta às ruas

As ruas são o destino escolhido por 80% dos 4.500 comerciantes que ficaram sem emprego desde que a tradicional feira foi fechada, no dia 10 de maio, para reformas hidráulicas, elétricas e de alvenaria.

Wanderley Preite Sobrinho/iG São Paulo
Até o início do mês as obras na feirinha estavam em ritmo lento

As obras, no entanto, só começaram um mês depois, gerando uma briga entre os comerciantes e a Prefeitura, que foi judicialmente obrigada a reformar e reabrir a feira no dia 3 de setembro, prazo não cumprido.

A última promessa era reabrir a feira no dia 15 de outubro, mas as obras estão longe de terminar. O clima entre comerciantes e a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras voltou a esquentar na manhã do dia 13 de outubro, quando tratores derrubaram cerca de 50 dos 100 boxes de alvenaria que já estavam construídos antes da reforma.

Mais: Sem autorização, chineses criam concorrente da Feira da Madrugada

Veja como funcionava a Feira da Madrugada

Assim que flagrou a derrubada, um grupo de vendedores recorreu à Justiça Federal, que no mesmo dia intimou o responsável pela obra a interromper a demolição sob pena de arcar com uma multa de R$ 600 mil. Veja abaixo imagens das obras na Feira da Madrugada:

Obras na feirinha estão atrasadas há mais de dois meses. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloEmbora as obras estejam em atraso, a prefeitura prometeu entregá-las no dia 15 de outubro. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloEstima-se que as obras consumam R$ 4 milhões . Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloVista aérea dos boxes. Fotos foram tiradas na última quinta-feira (3). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloOs boxes serão divididos por cores para facilitar para os compradores. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloNasser Sharefy (em pé)preferiu morar na feirinha para acompanhar as obras . Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloBox de alvenaria na Feirinha da Madrugada virou casa para o comerciante Nasser Sharefy. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloMovimento de ambulantes na Rua Tiers é maior durante a madrugada. A partir das 7hs, a polícia começa o "rapa", e poucos se arriscam suas mercadorias no local. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São Paulo


compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas