Tenente suspeito de integrar PCC é preso

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Guilherme Silva, de 36 anos, foi detido pela Corregedoria da PM após divulgação de escutas telefônicas

O primeiro-tenente Guilherme William Pacheco da Silva, de 36 anos, foi preso administrativamente pela Corregedoria da Polícia Militar (PM) de São Paulo na manhã desta terça-feira ( 15) sob suspeita de associação ao crime organizado.

Divulgação/Edson Lopes Jr.
Entre medidas anunciadas por Alckmin está equipe especial para acompanhar envolvimento de policiais com o crime organizado

A prisão ocorreu depois da divulgação de escutas telefônicas feitas para investigar o Primeiro Comando da Capital (PCC).

A investigação do Ministério Público do Estado (MPE), que durou três anos e meio, mapeou as atividades da facção dentro dos presídios paulistas.

Silva está lotado, atualmente, no 16°Batalhão de PM Metropolitana, zona oeste da capital paulista. De acordo com a PM, ele encontra-se recolhido na corregedoria.

Conheça a nova home do Último Segundo
Marcola afirma que PCC reduziu a criminalidade em São Paulo
"Não vamos nos intimidar", diz Alckmin sobre ameaça de morte do PCC

Em nota divulgada esta manhã, a PM afirma que "a instituição, alinhada com seus objetivos estratégicos de valorizar os bons policiais militares e de adotar instrumentos eficazes de depuração interna, está com a atenção redobrada quanto à proteção de seus policiais, bem como atenta, rigorosa e implacável contra eventuais desvios de conduta de seus integrantes".

Depois de três anos e meio de investigação, o MPE denunciou 175 acusados e pediu à Justiça a internação de 32 presos no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) - entre eles, toda a cúpula, hoje detida em Presidente Venceslau (SP).

A prisão ocorre um dia depois de o governo paulista anunciar a criação de uma força-tarefa da Segurança Pública para obter informações que auxiliem as investigações sobre a organização. Uma das medidas foi a criação de uma comissão especial da corregedoria para investigar os casos de policiais ligados ao grupo criminoso.

No final da manhã da última segunda-feira (14), após participar de reunião com o governador Geraldo Alckmin, o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, disse que tomaria providências, a partir da investigação do MP-SP, em relação aos policiais. O secretário informou não ter conhecimento sobre o número de policiais envolvidos com o crime, mas que, em 2013, foram mais de 100 homens afastados por práticas ilegais, somando policiais civis e militares.

Leia também:
Manifestantes descartam preocupação com suposta ameaça do PCC

De acordo com as últimas interceptações telefônicas, o PCC prepara novos ataques caso a cúpula seja transferida para o RDD da Penitenciária de Presidente Bernardes, no interior de São Paulo. 

Diante das novas ameaças do bando, o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Benedito Roberto Meira, pôs a corporação em estado de alerta. As ameaças da facção se estendem a 2014, quando os bandidos prometem uma "Copa do Mundo do terror" e ataques nas eleições. 

AE
Marcola, chefe do PCC

Por dentro da facção
A megainvestigação do MPE flagrou toda a cúpula da facção em uma rotina interminável de crimes. Ela ordena assassinatos, encomenda armas e toneladas de cocaína e maconha. Há planos de resgate de presos e de atentados contra policiais militares e autoridades. O bando faz lobby e planeja desembarcar na política.

Presente em 22 Estados do País e em três países (Brasil, Bolívia e Paraguai), a "Família" domina 90% dos presídios de São Paulo. Lucra cerca de R$ 8 milhões por mês com o tráfico de drogas e outros R$ 2 milhões com sua loteria e com as contribuições feitas por seus integrantes - o faturamento anual de R$ 120 milhões a tornaria uma empresa de médio porte. Esse número não inclui os negócios particulares dos integrantes, o que pode fazer o total arrecadado por criminosos dobrar.

Mais
Relembre a onda de ataques que amedrontou São Paulo em 2006
Ação policial causou ataques do PCC, diz estudo

A principal atividade é desenvolvida pela facção é tráfico de drogas. Chamado de Progresso, prevê ações no atacado e no varejo. No último, a facção reunia centenas de pontos de venda de droga espalhados pelo País. Eles são chamados de "FM". No caso da cocaína, os bandidos mantêm um produto de primeira linha, o "100%" e o "ML", que é a droga batizada, de segunda linha.

A maconha é designada nas conversas com o nome de Bob Esponja. A droga do PCC vem do Paraguai e da Bolívia. Os três principais fornecedores de drogas para o PCC seriam os traficante paraguaio Carlos Antonio Caballero, o Capilo, e os brasileiros Claudio Marcos Almeida, o Django, Rodrigo Felício, o Tiquinho, e Wilson Roberto Cuba, o Rabugento.

Arsenal
O grupo tem um arsenal de uma centena de fuzis em uma reserva de armas e R$ 7 milhões enterrados em partes iguais em sete imóveis comprados pela facção. Ao todo, o grupo tem 6 mil integrantes atrás das grades e 1,6 mil em liberdade em São Paulo. Esse número sobre para 3.582 em outros Estados - somando os membros ativos e inativos, além dos punidos e os que não têm mais cargos ou participação em atividades mantidas pela facção.


*Com informações da Agência Estado e da Agência Brasil

Leia tudo sobre: igsppccsegurança públicacrime organizadordd

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas