Apartamento onde mãe e filhos morreram na Grande São Paulo tem nova perícia

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Perícia analisou o sistema de gás do prédio para identificar vazamentos que possam ter causado os óbitos

Agência Estado

O Instituto de Criminalística de São Paulo realizou, na manhã desta sexta-feira (20), nova vistoria no apartamento da família que foi encontrada morta no município de Ferraz de Vasconcelos, em São Paulo, na última terça-feira (17). A pedido do delegado Itagiba Vieira Franco, do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), a perícia analisou o sistema de gás do prédio para identificar possíveis vazamentos que possam ter causado os óbitos.

Leia também:
Mãe e quatro filhos são encontrados mortos em condomínio na Grande SP
Namorado de mulher morta na Grande São Paulo tem prisão decretada

Futura Press
Velório da enfermeira Dina Vieira da Silva, de 42 anos, e dos quatro filhos dela em Vargem Grande Paulista, SP, nesta quarta-feira (18)

O vazamento é a nova hipótese investigada pela Polícia Civil para as mortes da auxiliar de enfermagem, Diná Vieira da Silva, de 42 anos, e de seus quatro filhos, de 7, 11, 12 e 16 anos. Outra hipótese é de que eles tenham morrido por envenenamento após o consumo de um bolo e de suco.

Essa suspeita levou a Justiça a decretar na terça a prisão temporária por 30 dias do namorado de Dina, o boliviano Alex Guinones Pedraza, de 33 anos. Pedraza está detido na Cadeia Pública de Suzano, região metropolitana de São Paulo.

Segundo o delegado Franco, a requisição de uma nova perícia foi feita após o depoimento de moradores do prédio que relataram casos antigos de vazamento de gás.

"Precisamos averiguar todas as hipóteses antes de seguirmos com as investigações. Até a próxima semana já teremos os laudos da perícia para analisar", disse. Segundo o delegado, Pedraza seguirá preso até o que o resultado da perícia seja conhecido.

Ex-moradora

Uma ex-moradora do apartamento onde foram encontrados mortos a mulher e seus quatro filhos reforçou as suspeitas de asfixia por vazamento de gás. Na quinta-feira, 19, Viviane Nascimento, de 20 anos, contou à polícia que passou mal no dia 3 de junho.

Ao acordar, viu seu marido, Lucas Nascimento, de 23, morto. Ela disse que estava grávida à época e que perdeu o bebê no 7º mês de gestação.

Ela contou que tomava banho quando começou a sentir tontura. "Na época, não passou isso (vazamento de gás) pela minha cabeça. A gente tinha acabado de alugar (o apartamento)".

Segundo Viviane, o marido a ajudou a se deitar e, quando acordou, às 3 horas da manhã, ele já estava morto, com vômito sobre o corpo. Ela abortou no hospital. O caso foi registrado na polícia como morte suspeita e será investigado. Uma primeira análise mostrou que o coração do marido de Viviane estava inchado.

Leia tudo sobre: mortesferraz de vasconcelosigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas