Um dia após matar filhas, mãe saiu para passear com cão no Butantã

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Para delegado, problema financeiro aliado a outras coisas fez ela surtar e assassinar as adolescentes de 13 e 14 anos

Agência Estado

A corretora de imóveis Mary Vieira Knorr, de 53 anos, acusada de ter assassinado as duas filhas em casa, no Butantã, na zona oeste de São Paulo, saiu para andar com o cachorro após o crime. Segundo o delegado Gilmar Contrera, titular do 14.º DP (Pinheiros), tudo indica que Paola e Giovanna, de 13 e 14 anos, tenham sido mortas na quinta-feira (12) e a mãe foi vista passeando na sexta (13).

Mais: Mãe suspeita de matar as duas filhas segue internada em São Paulo
O caso: Mãe é suspeita de matar as duas filhas na zona oeste de São Paulo

O delegado espera ouvir a acusada na quarta-feira (18). Mary continua internada no Hospital Universitário, onde passou por exames nesta terça-feira (17). "Acredito que o problema financeiro aliado a outras coisas fez ela surtar", disse Contrera. Ela é investigada por apropriação indébita e estelionato - quatro ocorrências foram registradas neste ano. Segundo o delegado, ela pode ter se apropriado indevidamente de cerca de R$ 215 mil dos seus clientes.

Futura Press
Irmãs que teriam sido assassinadas pela mãe são enterradas nesta segunda-feira (16)em SP

Irmãs que teriam sido assassinadas pela mãe são enterradas em São Paulo

Segundo o delegado, ela só não conseguiu se matar porque outra filha, do primeiro casamento, foi até a casa com o irmão, no sábado (14). Ao não ter resposta, pediu a uma vizinha para pular o muro. Eles viram a porta estava trancada e sentiram cheiro de gás. Ela ligou para os bombeiros, que entraram na casa e encontraram Mary na sala.

Leia tudo sobre: GERALirmãs assassinadasfamíliaigspmortefilhas mortasmãe suspeita

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas