Após protesto dos trabalhadores dos Correios, avenida Paulista é liberada

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Avenida foi liberada por volta das 17h30 e manifestantes seguiram até a agência central de SP, no Anhangabaú

Agência Brasil

Cerca de 250 trabalhadores dos Correios fizeram uma manifestação no vão livre do Museu de Arte de São Paulo cobrando reposição salarial. Os empregados, que deflagraram greve hoje. De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), por volta das 17h, os manifestantes liberaram a faixa da avenida e seguiram até a agência central de São Paulo, no Vale do Anhangabaú.

 Leia também:

Correios dizem que operam com 93,3% dos funcionários
Pelo menos seis dos 35 sindicatos estão em greve, dizem Correios
Funcionários dos Correios entram em greve em vários Estados do País

Futura Press
Funcionários dos Correios fazem protesto na avenida Paulista nesta quinta-feira (12)

O diretor jurídico do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios e Similares de São Paulo, Região da Grande São Paulo e Zona Postal de Sorocaba, Fabrício Máximo, estima que a adesão à paralisação é de cerca de 60%. O dado se refere a região sul da cidade.

“A greve é por reposição salarial. A proposta da empresa não repõe nem a inflação. A nossa proposta é de reposição da inflação, além aumento real. Queremos discutir também nosso piso salarial, que é o mais baixo das estatais, R$ 1.044,00. Não dá nem dois salários mínimos”, disse.

A Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresa de Correios e Telégrafos e Similares, entidade que agrega 29 dos 35 sindicatos do setor, reivindica 7,13% de aumento, mais 15% de aumento real e R$ 200 de aumento linear para todos os 123 mil servidores. Além disso, pede 20% de aumento pelas perdas salariais ocorridas desde o Plano Real.

Os Correios alegam não ter condições de atender às reivindicações. Segundo a empresa, a aceitação das demandas causaria impacto de R$ 31,4 bilhões sobre a folha de pagamento, o equivalente a "quase o dobro da previsão de receita” para este ano, “ou o equivalente a 50 folhas mensais de pagamento da ECT”.



Leia tudo sobre: greveprotestocorreioigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas