Terceiro suspeito de matar menino boliviano é assassinado em São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Corpo do foragido Wesley Pedroso, de 18 anos, foi achado dias antes da morte de outros dois acusados. Identidade foi confirmada após perícia do DHPP, na capital

Agência Estado

O trabalho de uma perita especializada na análise de impressões digitais levou a polícia a descobrir que mais um acusado de matar Brayan Yanarico Capcha, de 5 anos, foi assassinado. Trata-se de Wesley Pedroso, de 18 anos, que estava foragido. Ele é o terceiro dos homens apontados como um dos autores da morte do menino durante um assalto.

Na cadeia: Dois acusados de assassinar garoto boliviano são encontrados mortos

Janderson Oliveira/Futura Press
Pais e tios do menino Brayan, de 5 anos, morto em junho durante assalto na zona leste de SP

A principal suspeita da polícia é de que o Primeiro Comando da Capital (PCC) esteja por trás do crime. Filho de bolivianos, o menino foi assassinado com um tiro na cabeça em um roubo a sua casa em 28 de junho, na zona leste de São Paulo. Os bandidos o mataram porque ele chorava. Ele estava no colo da mãe e ainda implorou: "Não quero morrer, não matem minha mãe".

Relembre:
Assaltantes matam menino de 5 anos durante roubo na zona leste
Polícia prende terceiro suspeito de matar menino de 5 anos em São Paulo

Nos dias seguintes, a polícia prendeu dois acusados do crime - Paulo Henrique Martins, de 19 anos, e Felipe dos Santos Lima, de 18, o Tripa - e apreendeu um adolescente de 17 anos. Wesley Pedroso e seu comparsa Diego Freitas Campos, de 19, conseguiram escapar. Desde então, estavam foragidos. As investigações da polícia concluíram que fora Campos o bandido que atirou no menino.

Janderson Oliveira/Futura Press
Mãe de Brayan voltou para a Bolívia após crime

No dia 30 de agosto, Lima e Martins foram envenenados no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Santo André. Eles teriam sido obrigados a tomar um coquetel conhecido como "gatorade" - uma mistura de cocaína, creolina, álcool e Viagra. Dias antes, em junho, um corpo havia sido encontrado na região do Jaçanã, na zona norte.

Investigadores do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) não conseguiram pistas dos autores do crime ou da identidade da vítima. Até que nessa terça-feira, 10, a perita informou aos seus superiores a sua descoberta. "Ao confrontar as impressões digitais do morto com as do foragido, ela descobriu que se tratava de Wesley", disse a delegada Elizabete Ferreira Sato, diretora do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A família de Pedroso tentará reconhecer o corpo nesta quarta, 11. A polícia ainda procura Campos, acusado de atirar em Brayan, que está desaparecido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: pccbolivianobryancaso bryanmortesigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas