Merenda é suspeita de causar intoxicação em alunos da rede pública de São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Secretaria Estadual da Educação enviou equipe de supervisores para inspecionar a merenda da escola

Agência Estado

Vinte e cinco crianças entre 10 e 12 anos foram socorridas por ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) na manhã desta sexta-feira (6), com dores abdominais e vômito na Escola Estadual Condomínio Vargem Grande II, em Parelheiros, zona sul de São Paulo. A suspeita é de que os alunos tenham ingerido comida contaminada na escola.

Mais: Merenda escolar tem peixe em apenas 27% dos municípios

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, dez crianças foram encaminhadas à Assistência Médica Ambulatorial (AMA) Parelheiros e as outras 15 foram distribuídas por três hospitais no Jabaquara, no Grajaú e em Pedreiras.

A Secretaria Estadual da Educação afirmou que já enviou uma equipe de supervisores ao local para inspecionar a merenda. Ainda não se sabe o que causou o mal-estar nas crianças.

Interior

Em Sorocaba, pelo menos 14 alunos também passaram mal depois de comer a merenda escolar servida na tarde dessa quinta-feira, 5, na Escola Estadual Antonio Miguel Pereira Júnior, no bairro Central Parque, zona oeste da cidade.

Os estudantes do ensino fundamental, com idade entre 13 e 14 anos, procuraram a direção do colégio para relatar o problema. Eles haviam consumido cachorro-quente - salsicha com molho no pão - e tomado suco. Alguns estudantes reclamaram que o molho usado no lanche tinha gosto ácido.

Dez alunos tiveram de receber atendimento numa unidade pré-hospitalar da região. Com suspeita de intoxicação alimentar, os estudantes foram medicados com soro. A mãe de uma das vítimas, Ana Cristina Damasceno Gomes, procurou a Delegacia de Polícia para registrar um boletim de ocorrência.

A Secretaria de Estadual da Educação informou que repassa a verba para a compra dos alimentos à prefeitura de Sorocaba, que se incumbe da compra e preparação da merenda. De acordo com a administração municipal, o preparo da merenda é acompanhado por uma nutricionista. Foram coletadas amostras dos alimentos para exames.

Leia tudo sobre: merendas contaminadasescola estadualsão pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas