Menino de 13 anos teria esperado a policial no banheiro após ter executado o pai; crime completou um mês ontem

Laudos apresentados pelo Instituto de Criminalística (IC) à polícia apontam que Marcelo Pesseghini, de 13 anos, esperou no banheiro da casa pela chegada da mãe, a cabo da PM Andréia Pesseghini, depois de ter executado o próprio pai, o sargento da Rota Luís Marcelo Pesseghini, no crime ocorrido no começo de agosto na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo.

Um mês depois do crime, casa da família Pesseghini tem homenagem em SP

Homenagem em frente a casa onde aconteceu a chacina na Vila Brasilândia, zona norte de SP
Marcos Bezerra/Futura Press
Homenagem em frente a casa onde aconteceu a chacina na Vila Brasilândia, zona norte de SP


A investigação indica que Andreia estaria de joelhos sobre o corpo do marido, quando o garoto realizou o disparo. A cena do crime foi descrita pela perícia técnica que examinou os assassinatos e realizou 9 laudos e 35 exames sobre o caso. O adolescente também é suspeito de matar a avó, a tia-avó e depois se suicidar. Parentes do menino estiveram nesta quinta-feira (5) no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para saber sobre os laudos.

Caso Pesseghini provoca discussão entre policiais sobre armas e filhos em casa

O portão da casa da família Peseghini recebeu uma homenagem ontem (05), data em que a morte de cinco pessoas da mesma família no local completou um mês. Flores e uma faixa que defende a inocência do principal suspeito foram deixadas em frente ao portão da residência.

Mais: Veja o que leva a polícia a apontar menino como autor da morte de PMs
Alienação mental e patologia social podem explicar tragédia familiar em SP

Nesta semana, a diretora do DHPP, Elisabete Sato, disse que os laudos entregues pelo Instituto de Criminalística (IC) confirmam as suspeitas de que o estudante matou os familiares e depois se suicidou em sua residência.

De acordo com Elisabete, as perícias vão ao encontro dos depoimentos prestados pelas testemunhas ouvidas no DHPP. Ela disse que nem todos os laudos ainda foram analisados pela polícia e que poderá haver novos pedidos de esclarecimentos ao IC. Veja abaixo mais imagens do caso:

*com AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.