Termina protesto de petroleiros e atingidos por barragens na avenida Paulista

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo PM, protesto contou com cerca de 800 manifestantes. Avenida foi liberada por volta das 14h

Agência Estado

Uma manifestação contra o leilão do pré-sal bloqueou a avenida Paulista, no centro de São Paulo, nesta quinta-feira (5). Segundo a Polícia Militar, cerca de 800 manifestantes da Federação Única dos Petroleiros (FUP), do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST), do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e de outros movimentos sociais participaram da manifestação. As entidades falaram em cerca de 2 mil manifestantes.

Mais: Manifestação de petroleiros e atingidos por barragens ocupa a avenida Paulista

J. Duran Machfee/Futura Press
Movimentos sociais, Federação Única dos Petroleiros (FUP) e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) realizam ato em São Paulo

O ato pediu o cancelamento do leilão do pré-sal, previsto para o dia 21 de outubro. O grupo se reuniu por volta das 10h na Praça Oswaldo Cruz, na região da Paulista. Em seguida, os manifestantes ocuparam a avenida, que só foi liberada pouco antes das 14h, quando a passeata teve fim. Segundo a PM, a manifestação ocorreu de forma pacífica.

Reivindicações

Para a FUP, a concessão de áreas de exploração de petróleo a empresas privadas representa uma precarização do setor, além de um atraso para o desenvolvimento do País. Em nota, a Federação considerou que "a privatização do petróleo é quase um sinônimo para a terceirização do trabalho".

No ato na Paulista, os manifestantes carregaram faixas pedindo o fim das concessões no setor energético. "Leilão é privatização" e "Água e energia não são mercadorias" foram algumas das palavras de ordem do protesto. A implementação de políticas que ampliem os direitos da população atingida pela construção de barragens também entrou na pauta do grupo.

Ainda nesta quinta-feira, os manifestantes encaminharam uma carta com as reivindicações à presidente Dilma Rousseff. Além da FUP, MTST e MAB, assinaram o documento Plataforma Operária e Camponesa para Energia, Via Campesina, Levante Popular da Juventude e Central dos Movimentos Populares (CMP).

Leia tudo sobre: protestopetroleirosatingidos por barragensigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas