Servidor culpa falta de estrutura de subprefeitura por desabamento em SP

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

"Há falhas gritantes", disse Alfredo Carrasco sobre trabalho de fiscalização em São Mateus; tragédia deixou 10 mortos

Em depoimento na Comissão de Política Urbana da Câmara de São Paulo, nesta quarta-feira (4), o engenheiro Alfredo Consiglio Carrasco, coordenador de Planejamento e Desenvolvimento Urbano da Subprefeitura de São Mateus, na zona leste da capital paulista, culpou a falta de estrutura do órgão pela não fiscalização da obra que desabou, matando dez pessoas, na semana passada.

Em SP: Embargada, obra que matou uma pessoa está em andamento 
Após desabamento, prefeitura divulga lista de obras embargadas em São Paulo

Bombeiros procuram a última vítima que foi retirada dos escombros na tarde desta quinta-feira (28/08). Foto: Divulgação/BombeirosBombeiros encontram corpo de nona vítima entre os escombros nesta quinta-feira (29); um operário segue desaparecido. Foto: Futura PressDesabamento completou 24 horas nesta manhã de quarta-feira (27); 50 homens trabalham para encontrar vítimas. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressTratores são utilizados nesta quarta-feira (28) para remoção dos escombros nas buscas por sobreviventes. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressNo final da noite (27) foi confirmada a oitava morte no desabamento; 26 foram socorridos com vida . Foto: Alex Falcão/Futura PressÀ noite foram usados refletores para iluminar a área de escombros, na zona leste. Foto: Alex Falcão/Futura PressCorpo é retirado dos escombros na zona leste. "Número de vítimas pode aumentar", diz capitão dos bombeiros. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressAgentes levam corpo de operário morto em desabamento na zona leste. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressFamiliares dos operários atingidos acompanham o trabalho dos bombeiros e Samu . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressTrês lonas com cores diferentes (verde, amarelo e vermelho) indicam atendimento de acordo com a gravidade dos ferimentos. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSHelicóptero Águia da Polícia Militar é usado para resgate de vítimas em estado crítico. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSBombeiros caminham com cuidado entre os destroços e carros na região do desabamento. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressImóveis que ficam ao lado do terreno foram evacuados e interditados pela Defesa Civil por segurança. Foto: Futura PressCães farejadores durante intervalo das buscas na zona leste de São Paulo. Foto: Futura PressApós resgate, vítimas com ferimentos leves são levadas aos hospitais da região leste de SP. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloOutro operário é resgatado pela equipe do Samu. Isolante térmico é usado para aquecer as vítimas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloDesabamento deixou mortos e feriu dezenas. Na foto, equipe resgata um dos operários soterrados. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressVítima que ficou soterrada é aquecida e recebe atendimento das equipes do Samu. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressFamiliares acompanham atendimento às vítimas pela equipe do Samu. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressCães farejadores são utilizados pelos bombeiros no salvamento; ao menos 60 homens estão no local. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSEstrutura em construção cedeu na avenida Mateo Bei, região de São Mateus; operários foram soterrados. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressOperário sobrevivente aguarda resgate de colegas na zona leste. Pelo menos 35 homens trabalhavam no local. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressBombeiro durante resgate às vítimas soterradas; ao menos 20 equipes atuam no local do acidente. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressÁrea do acidente foi isolada pelo Corpo de Bombeiros. Órgãos acompanham o trabalho de regaste dos operários. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloOperários ficaram soterrados nos escombros da estrutura em São Mateus. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSCarros que estavam estacionados próximo ao local foram cobertos pelos escombros, na zona leste. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressCarros também foram atingidos pelos escombros do prédio comercial no bairro de São Mateus. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressCenário de destruição na esquina da av. Mateo Bei com a rua Margarida Cardoso dos Santos, em São Mateus. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloBombeiro leva ferramenta usada para cortar estruturas durante resgate; 20 equipes estão no local. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressÁrea do acidente foi isolada pelo Corpo de Bombeiros. Agentes da Defesa Civil (de laranja) acompanham resgates. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloEquipes do Samu participam dos trabalhos de salvamento no desabamento, na zona leste. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressDefesa Civil deve ainda analisar os impactos do acidente na região; avenida foi bloqueada. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressMoradores da região acompanham o trabalho dos bombeiros de resgate aos operários soterrados. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressAvenida Mateo Bei foi totalmente interditada pela CET e tomada por viaturas dos bombeiros. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressPolicial militar é visto na região do escombro na zona leste de São Paulo. Foto: Eduardo Sampaio/ Futura PressImagem da av. Mateo Bei antes da construção do prédio que cedeu. Havia uma comunidade no local. Foto: Reprodução

Funcionário público municipal desde 1991 e lotado há cinco anos em São Mateus, Carrasco também disse que estava no cargo "a contragosto" e que faltam fiscais no órgão, onde estão lotados sete agentes vistores. "Dois precisam fazer (a fiscalização das) feiras", pontuou. "Há falhas gritantes (no trabalho de fiscalização)", emendou. Ele disse ainda que nunca passou pela obra que desabou e que estava embargada pela Prefeitura.

Carrasco assumiu a função de chefe da fiscalização em fevereiro. Antes, era supervisor de licenciamentos na mesma subprefeitura. "Esse cargo de coordenador (da fiscalização) ficou vago por cinco meses. Não havia ninguém para coordenador o trabalho de fiscalização."

Operários de obra que desabou em São Paulo dizem que estrutura era frágil

Em contato com a redação do iG, o advogado do servidor, informou que "no exercício do supracitado cargo desde o dia 18 de julho deste ano (2.013), meu constituinte não tem como funções a análise e o deferimento ou não de projetos de obras ou o exercício da fiscalização de construções".

Segundo o advogado Alvaro Consiglio Carrasco Junior, "não competia a Alfredo Consiglio Carrasco agir no projeto ou nas obras do imóvel que desabonou no dia 27 de agosto na avenida Mateo Bei, direta ou indiretamente, tampouco realizar diligências de constatação, praticar autuações, promover embargos ou solicitar força ou apuração policial".

O subprefeito de São Mateus, Fernando Elias, também foi à Câmara nesta quarta-feira. Elias afirmou que não era função administrativa dele fazer a fiscalização da obra irregular. Os depoimentos provocaram indignação nos parlamentares.

"É inadmissível que vocês culpem a falta de estrutura. Tem de acabar com a ‘cultura do sofá’ nas subprefeituras. O subprefeito precisa rodar, conhecer o bairro e as principais obras que estão em andamento na sua região", criticou o vereador Andrea Matarazzo (PSDB), ex-secretário de Coordenação das Subprefeituras e presidente da Comissão de Política Urbana.

"Pelos relatos trazidos à comissão, há falhas graves de estrutura na Prefeitura", afirmou o vereador Nabil Bonduki (PT). De acordo com o vereador Police Neto (PSD), os depoimentos reforçam a necessidade de abertura de uma subcomissão para investigar o acidente em São Mateus.

"Não tem muito nexo esse juntado de coisas que foram argumentadas. O que percebemos é que todo mundo estava vendo (a obra embargada), todos conseguiam enxergar, mas muitos não queriam." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: desabamentosão mateusigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas