Prefeitura de SP anuncia que Feira da Madrugada reabre no dia 15 de outubro

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Feirinha na região central está fechada para reformas de segurança desde o dia 10 de maio

Agência Estado

A Feira da Madrugada, no Brás, na região central de São Paulo, será reaberta no dia 15 de outubro. A Prefeitura anunciou nessa quarta-feira (04), a nova data para o início de funcionamento da Feirinha, após reunião entre a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras e uma comissão de comerciantes na última segunda-feira (02).

Protestos: Comerciantes da Feira da Madrugada fazem manifestação em SP

Alex Falcão/Futura Press
Feira da Madrugada chegou a ser reaberta parcialmente devido a uma liminar da Justiça

A Feirinha está fechada para reformas de segurança desde o dia 10 de maio. No entanto, as obras no local começaram quase dois meses depois, no dia 8 julho, após briga judicial entre comerciantes - que pediam a manutenção das atividades durante a reforma - e Prefeitura.

A previsão inicial era de que a reforma, orçada em R$ 4 milhões, levasse cerca de 60 dias. De acordo com esse primeiro prazo, a reabertura ao público deveria acontecer já neste domingo (08).

Em nota, a administração municipal disse que a partir de segunda-feira, dia 9, os comerciantes cadastrados serão convocados para a designação dos novos boxes. Qualquer adequação ou reformas individuais nos espaços precisarão de uma liberação da prefeitura.

No início do ano, uma série de reportagens do iG mostrou a falta de condições da feira. O comércio sigiloso e ilegal das barracas , a insegurança de suas instalações , a forma de administração irregular por parte da prefeitura e a base do Samu inapropriada para o atendimento médico no local foram retratadas nas reportagens. Veja imagens abaixo:

A Feirinha da Madrugada já existe há 12 anos: ela começa a funcionar às 2h e para às 16h. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGCerca de 15 mil compradores passam todos os dias pela feirinha, que emprega 12 mil pessoas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGA reforma no prédio está prevista no acordo entre a prefeitura e o governo federal, dono do terreno. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGAs 4.500 barracas são distribuídas por corredores estreitos, que vão de um restaurante aos fundos de um estacionamento para ônibus e vans. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGO espaço precisa de reforma estrutural para suportar o número de vendedores e consumidores que todos os dias visitam o local. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGPor volta das 3h, cerca de 40% das barracas já estão montadas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGA partir das 11h, os comerciantes compram suas marmitas ali mesmo e fazem seu almoço pelos corredores da feira. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGEmbora muitos policiais trabalhem na feirinha, ambulantes vendem seus produtos fora das barracas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGA maioria das barracas pertencem a coreanos, os primeiros a chegar para preparar suas barracas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGNa feirinha se encontra de tudo: roupas, bijuterias, brinquedos, calçados. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGVista do corredor principal da feirinha, que dá acesso à administração. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGO estacionamento da feirinha recebe até 400 ônibus e vans por dia. A limpeza de todo o terreno é de responsabilidade de prefeitura. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGDentro da feirinha também funciona um ambulatório improvisado por auxiliares de enfermagem do Samu. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGSimulação de projeto arquitetônico da Feirinha da Madrugada. Foto: Divulgação


Leia tudo sobre: feira da madrugadafeirinha da madrugadabrassão pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas