Justiça de São Paulo concede regime semiaberto ao jornalista Pimenta Neves

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Réu confesso no assassinato de Sandra Gomide, o jornalista foi beneficiado por 'bom comportamento'

Fernando Celescuekci/Futura Press
Pimenta Neves deixa casa na época da prisão

A Vara de Execuções Criminais de Taubaté concedeu o regime prisional semiaberto ao jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves, condenado por matar a repórter do jornal "O Estado de S. Paulo" Sandra Gomide, de 32 anos, em um haras em Ibiúna, em agosto de 2000. A decisão, da juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, foi publicada nesta quarta-feira (4) no site do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

Entenda o caso Pimenta Neves

Na sentença, Sueli explicou que Pimenta Neves "tem contra si uma condenação de 14 anos, dez meses e três dias de reclusão, por homicídio doloso; já implementou o requisito temporal para a progressão de regime prisional e mantém bom comportamento carcerário, consoante atestado pela Administração Penitenciária”.

Pimenta Neves comandou jornais e foi correspondente nos EUA

Em 2010: Dez anos após matar a namorada, Pimenta Neves vive em liberdade

Isso porque, segundo a Justiça, "a transferência para regime menos gravoso de cumprimento de pena deve ser deferido quando o preso tiver cumprido pelo menos 1/6 da reprimenda no regime anterior e revelar bom comportamento carcerário, este comprovado por simples declaração do diretor da unidade prisional. Uma vez presentes estes dois requisitos, é o quanto basta para a concessão do benefício, e no caso em questão ambos vêm comprovados nos autos”.

O caso

Antonio Marcos Pimenta Neves foi condenado a 19 anos, 2 meses e 12 dias de prisão em maio de 2006, pelo homicídio da sua ex-namorqada. Em setembro de 2008, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgou recurso que buscava a anulação da condenação, manteve a decisão, mas com redução da pena.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas