Integrantes de ONG são presos por suspeita de desviar recursos de ministério

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Organização desviava recursos destinados à criação e manutenção dos centros públicos de empregos de SP

Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) cumpriu na manhã de hoje (3) sete mandados de prisão e 37 de busca e apreensão contra representantes de uma organização não governamental (ONG) suspeitos de desvio de recursos do Ministério do Trabalho e Emprego. Segundo a PF, foram comprovadas irregularidades no repasse de R$ 47,5 milhões para uma ONG de assistência ao trabalhador, que não teve o nome divulgado.

Mais: Polícia Federal retoma operação-padrão em aeroportos e na fronteira do País

Divulgação/PF
PF apura desvio de recursos do Ministério do Trabalho

A organização, que tem unidades em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Brasília, desviava recursos destinados à criação e manutenção de centros públicos de empregos e de qualificação de trabalhadores nos municípios de São Paulo e do Rio de Janeiro.

A operação, denominada Pronto-Emprego, teve início em janeiro deste ano e constatou o desvio dos recursos e lavagem de dinheiro desde a concessão de verbas no ministério. Além disso, segundo a PF, foi comprovado o direcionamento das contratações, a inexecução de contratos, doações fictícias e simulações de prestações de serviço

Os presos responderão por quatro crimes: corrupção, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e peculato, cuja soma das penas pode chegar a 37 anos.

A Polícia Federal informou que cerca de 150 policiais federais e auditores do Tribunal de Contas da União trabalharam nas investigações.

Os detalhes da operação serão divulgados às 14h30, na sede da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, no bairro da Lapa.

Leia tudo sobre: desvio de recursosministério públicoONGigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas