Bombeiros retiram corpo da décima vítima de desabamento em SP e encerram buscas

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Além dos dez mortos, 26 operários foram retirados dos escombros com ferimentos pelas equipes de resgate

O Corpo de Bombeiros localizou e retirou dos escombros, na tarde desta quinta-feira (29), o corpo da décima vítima do desabamento de uma obra em construção em São Mateus, na zona leste de São Paulo. O corpo encontrado é de Antônio Welington Teixeira Silva, último operário da obra que ainda estava desaparecido desde o desabamento, na terça-feira. Após o resgate, as buscas foram encerradas pelos bombeiros e a área foi liberada para a perícia.

Leia também:
Polícia ouve testemunhas de desabamento em São Paulo
Bombeiros divulgam imagens do resgate em desabamento na zona leste de SP
Ministério Público abre investigação para apurar causas de desabamento

Bombeiros procuram a última vítima que foi retirada dos escombros na tarde desta quinta-feira (28/08). Foto: Divulgação/BombeirosBombeiros encontram corpo de nona vítima entre os escombros nesta quinta-feira (29); um operário segue desaparecido. Foto: Futura PressDesabamento completou 24 horas nesta manhã de quarta-feira (27); 50 homens trabalham para encontrar vítimas. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressTratores são utilizados nesta quarta-feira (28) para remoção dos escombros nas buscas por sobreviventes. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressNo final da noite (27) foi confirmada a oitava morte no desabamento; 26 foram socorridos com vida . Foto: Alex Falcão/Futura PressÀ noite foram usados refletores para iluminar a área de escombros, na zona leste. Foto: Alex Falcão/Futura PressCorpo é retirado dos escombros na zona leste. "Número de vítimas pode aumentar", diz capitão dos bombeiros. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressAgentes levam corpo de operário morto em desabamento na zona leste. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressFamiliares dos operários atingidos acompanham o trabalho dos bombeiros e Samu . Foto: Gabriela Bilo/Futura PressTrês lonas com cores diferentes (verde, amarelo e vermelho) indicam atendimento de acordo com a gravidade dos ferimentos. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSHelicóptero Águia da Polícia Militar é usado para resgate de vítimas em estado crítico. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSBombeiros caminham com cuidado entre os destroços e carros na região do desabamento. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressImóveis que ficam ao lado do terreno foram evacuados e interditados pela Defesa Civil por segurança. Foto: Futura PressCães farejadores durante intervalo das buscas na zona leste de São Paulo. Foto: Futura PressApós resgate, vítimas com ferimentos leves são levadas aos hospitais da região leste de SP. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloOutro operário é resgatado pela equipe do Samu. Isolante térmico é usado para aquecer as vítimas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloDesabamento deixou mortos e feriu dezenas. Na foto, equipe resgata um dos operários soterrados. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressVítima que ficou soterrada é aquecida e recebe atendimento das equipes do Samu. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressFamiliares acompanham atendimento às vítimas pela equipe do Samu. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressCães farejadores são utilizados pelos bombeiros no salvamento; ao menos 60 homens estão no local. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSEstrutura em construção cedeu na avenida Mateo Bei, região de São Mateus; operários foram soterrados. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressOperário sobrevivente aguarda resgate de colegas na zona leste. Pelo menos 35 homens trabalhavam no local. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressBombeiro durante resgate às vítimas soterradas; ao menos 20 equipes atuam no local do acidente. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressÁrea do acidente foi isolada pelo Corpo de Bombeiros. Órgãos acompanham o trabalho de regaste dos operários. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloOperários ficaram soterrados nos escombros da estrutura em São Mateus. Foto: PETER LEONE/FUTURA PRESSCarros que estavam estacionados próximo ao local foram cobertos pelos escombros, na zona leste. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressCarros também foram atingidos pelos escombros do prédio comercial no bairro de São Mateus. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressCenário de destruição na esquina da av. Mateo Bei com a rua Margarida Cardoso dos Santos, em São Mateus. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloBombeiro leva ferramenta usada para cortar estruturas durante resgate; 20 equipes estão no local. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressÁrea do acidente foi isolada pelo Corpo de Bombeiros. Agentes da Defesa Civil (de laranja) acompanham resgates. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloEquipes do Samu participam dos trabalhos de salvamento no desabamento, na zona leste. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressDefesa Civil deve ainda analisar os impactos do acidente na região; avenida foi bloqueada. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressMoradores da região acompanham o trabalho dos bombeiros de resgate aos operários soterrados. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressAvenida Mateo Bei foi totalmente interditada pela CET e tomada por viaturas dos bombeiros. Foto: Wesley Rodrigo/ Futura PressPolicial militar é visto na região do escombro na zona leste de São Paulo. Foto: Eduardo Sampaio/ Futura PressImagem da av. Mateo Bei antes da construção do prédio que cedeu. Havia uma comunidade no local. Foto: Reprodução

Além dos 10 mortos, 26 pessoas foram resgatadas com vida e encaminhadas aos hospitais da região. Cinco ainda estariam internadas. Não há detalhes sobre o estado de saúde delas. Segundo os bombeiros, todas as vítimas trabalham no prédio em construção na avenida Mateo Bei, quando ele cedeu na última terça-feira (27).

Nesta quinta-feira, sete testemunhas do desabamento foram ouvidas no 49° Distrito Policial pelo delegado Luiz Carlos Uzelin, responsável pelo inquérito policial. Uma das testemunhas, que será ouvida na próxima segunda-feira (2), Francisco Pinheiro, era vizinho da obra e presenciou o acidente. "Eu estava lavando minha calçada e, de repente, desabou tudo. Saí correndo, olhei para trás e estava a poeira no chão."

Francisco vivia há sete anos no imóvel com a esposa, dois filhos e um neto. A casa ficou completamente destruída. Além da residência, no terreno havia um bar e uma adega, pelos quais Francisco pagava aluguel de mais de R$ 2 mil por mês. Operários da obra que frequentavam o comércio, conta ele, costumavam comentar sobre problemas na construção. "Ouvia os funcionários dizendo que tinha que calçar a obra", disse.

O Ministério Público abriu investigação para apurar as causas do desabamento. A investigação será conduzida pela Promotoria de Justiça de Habitação e Urbanismo. A prefeitura informou que a obra estava em situação irregular por falta de alvará de execução e foi embargada. A obra recebeu duas multas, ambas em março deste ano: uma de R$ 1.159,00 por falta de documentação no local da obra e outra de R$ 103,5 mil por não cumprimento de intimação.

A Polícia Civil de São Paulo também abriu investigação para apurar as causas e as responsabilidades pelo desabamento e começou a ouvir os funcionários da obra que sobreviveram. Segundo a Defesa Civil, quatro casas e dois estabelecimentos comerciais foram interditados no local.

Leia tudo sobre: igspdesabamentooperáriossão mateus

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas