Operários que trabalhavam na obra afirmaram que estrutura da obra já havia apresentado problemas

Os familiares de três trabalhadores envolvidos no desabamento de um prédio em construção na zona leste de São Paulo , nesta terça-feira (27), afirmaram que uma das vítimas, internada em um hospital após ferir no acidente, disse que a obra já havia ameaçado cair nas últimas duas semanas.

O desabamento: Prédio em construção desaba em São Paulo
Imagens: Veja imagens do local do desabamento na zona leste
Resgate: J ovem soterrado é encontrado após pedir ajuda pelo celular
Prefeitura diz que obra que desabou na zona leste de São Paulo estava irregular

Em busca de informações sobre o filho, Felipe Santos, de 20 anos, Maria de Fátima e Francisco Feitosa reclamaram da falta de notícias sobre o jovem que está desaparecido. Ele trabalhava na obra há quatro semanas e estava morando em uma casa alugada próximo ao local.

De acordo com Francisco, o irmão Rubens Feitosa, um dos trabalhadores que ficou ferido no desabamanento, disse que estaria faltando um viga central na estrutura e por isso a obra já estava amaeaçada há duas semana. Segundo o operário, a construção quase caiu na última semana.

Além de Rubens Feitosa, também trabalhavam na obra o filho dele, Gleison Batista Feitosa, e o sobrinho Felipe Santos. 

Mais:
Cinco cães participam da operação de resgate de desabamento em São Paulo
"Lá dentro está um quebra-cabeça", diz bombeiro sobre prédio que desabou

Outros depoimentos no hospital

Do lado de fora do Hospital Geral de São Mateus, uma das quatro unidades que receberam vítimas do desabamento, amigos dos trabalhadores feridos que aguardavam por notícias de colegas relataram problemas na estrutura da obra.

Um deles é o pedreiro Valdemir Pereira da Silva, de 45 anos. Enquanto espera por informações sobre o estado de saúde de dois amigos, ele, que também é funcionário da construtora responsável pela obra e está de licença do trabalho por 15 dias, contou que a estrutura da obra era inadequada para o tipo de construção que estava sendo feita.

“Seis pilares no meio de 1.100 metros quadrados, com duas vigas para segurar uma laje deste tamanho. Estavam fazendo o reforço e aí acontece isso”, disse Silva. De acordo com ele, um dos colegas passa bem e está tomando soro, já o outro fez uma cirurgia.

Imóveis que ficam ao lado do terreno foram evacuados e interditados pela Defesa Civil por segurança
Futura Press
Imóveis que ficam ao lado do terreno foram evacuados e interditados pela Defesa Civil por segurança

Até o começo da tarde desta terça-feira, 24 trabalhadores tinham sido resgatados pelo Corpo de Bombeiros. Os corpos dos mortos foram encaminhados para o Instituto Médico-Legal (IML) Central. 

A corretora de imóveis Marilene Aparecida passou em frente ao prédio minutos antes do desabamento. Depois, foi alertada sobre o ocorrido pela filha que estava em um ponto de ônibus. Ao ver a poeira, voltou ao local e acabou levando um dos trabalhadores feridos ao hospital, após ter recebido a autorização de um policial. “Ele estava com uma fratura exposta no braço e um machucado na cabeça. Ele conversou normalmente, disse que seu nome era Alcides, que era do Maranhão e que estava trabalhando ali há dois dias”, contou.

De acordo com Marilene, o operário, que é marceneiro, relatou que havia notado fragilidades na estrutura do prédio. “Eu não perguntei mais nada, apenas sobre a família. Estou em contato com a esposa dele que está no Maranhão e estou dando a ela as notícias”. Segundo ela, o homem ficou preso embaixo dos escombros, mas conseguiu sair junto com um colega por meio de um buraco feito em uma parede que dava no quintal de uma casa, também afetada pelo desabamento.

Conforme Marilene, o operário relatou que 30 a 45 pessoas estavam trabalhando no local no momento do desabamento. “Ele disse que foi tão rápido que ele nem entendeu o que aconteceu”, contou.

Já o pedreiro Guilherme Viana de Freitas aguarda notícias de dois irmãos resgatados dos escombros. Há 15 dias, ele deixou de trabalhar na obra. “Só sei que ele [um dos irmãos] foi resgatado, mas não sei em que hospital ele está, se foi mesmo retirado de lá. Ainda não tenho nenhuma notícia, não sei onde ele está. O outro irmão eu já sei que está bem, só com um corte na cabeça”.

“O comentário era de que as vigas eram muito pequenas para segurar um prédio daquele tamanho e que iam tentar reforçar. Aí aconteceu esse acidente”, disse Freitas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a obra estava em andamento há pelo menos três meses e que houve um colapso da estrutura, sem explosões. Antes da obra, existia no local um posto de combustíveis. As causas do desabamento ainda são desconhecidas. Desde a manhã, a Polícia Civil está no local e somente depois da perícia poderá se chegar a uma conclusão. 

A avenida Mateo Bei onde a construção está situada é um polo de comércio do bairro de São Mateus, na zona leste. Momentos após o desabamento, a rua foi fechada para a circulação de veículos e a maioria das lojas fechou as portas.

* Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.