Vítimas de tortura na Fundação Casa são ouvidas por promotor do MP

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Menores dizem que outros funcionários estão envolvidos no caso. MP diz que é cedo para pedir novos afastamentos

Agência Estado

Há mais funcionários envolvidos em torturas na Fundação Casa (ex-Febem) da Vila Maria, na zona norte de São Paulo, além dos cinco que foram afastados após divulgação de vídeo onde pelo menos seis jovens são espancados na unidade João do Pulo. A afirmação foi dada nessa terça-feira (20) por cinco vítimas que prestaram depoimento ao Ministério Público Estadual.

Mais: Governo federal divulga nota de repúdio a agressão de menores em SP

Ao todo, oito jovens que testemunharam a sessão de agressões e que apanharam naquela unidade foram transferidos para depor em outro prédio da fundação, no Brás. O promotor Matheus Jacob Fialdini afirmou, no entanto, que ainda é cedo para pedir o afastamento dos suspeitos, já que eles não aparecem nas imagens.

Futura Press
Fachada do Complexo Vila Maria da Fundação Casa após denuncias de violências contra menores

"Precisamos tratar o assunto com cuidado. Como nesses casos não há imagens respaldando a denúncia, é preciso antes investigar melhor", disse. Desde que o caso apareceu no Fantástico, da Rede Globo, cinco funcionários já foram afastados pela Fundação Casa. São eles o diretor da unidade, Wagner Pereira da Silva, os coordenadores de segurança Maurício Mesquita Hilário e José Juvêncio (que aparecem no vídeo agredindo os jovens) e o coordenador de equipe Edson Francisco da Silva, que assistiu às agressões.

Leia também:
Ministério Público de São Paulo abre investigação sobre tortura na Fundação Casa
Alckmin estuda monitorar Fundação Casa por vídeo
Fundação Casa afasta quatro após tortura de jovens em unidade de SP

Na segunda, outro coordenador de equipe foi afastado. A Fundação Casa não divulgou o nome do funcionário. Nas imagens da TV, gravadas dentro da unidade João do Pulo, os funcionários dão socos, tapas, pontapés e cotoveladas em pelo menos seis adolescentes, que estão de cuecas, acuados em uma sala da unidade.

As imagens foram gravadas em maio. O quinto afastado aparece no vídeo ameaçando os garotos: "Vou falar para os senhores: a mãe dos senhores vai visitar os senhores lá no IML. Lá no IML. Vai visitar no IML, porque eu não vou 'dar boi'", ameaça o funcionário.

Reproduçao TV Globo
Imagens de agressões em unidade da Vila Maria

Comportamento

Os cinco jovens que foram ouvidos pelo MPE nessa terça-feira disseram que houve tumulto e tentativa de fuga, o que teria motivado as agressões. Os rapazes ainda disseram que surras para tentar punir desvios de comportamentos costumavam ocorrer.

As testemunhas, no entanto, ponderaram que há funcionários na unidade que não compactuam com as torturas e agressões. "Eles sabem apontar os funcionários que são cúmplices daqueles que trabalham direito", disse o promotor.

Na segunda-feira (20), o MPE ouviu 16 funcionários da Fundação Casa. Na primeira sessão de depoimentos, constatou, segundo disse, a falta de capacitação e de vocação de muitos dos trabalhadores ouvidos com a educação de jovens. Os cursos para agentes, de acordo com os promotores, duram 15 dias. A Fundação Casa nega que falte capacitação para os funcionários e afirma que os cursos melhoraram nos últimos anos.

Documentos

A partir desta quinta-feira, 22, a promotoria vai ouvir outros jovens e funcionários, além de buscar documentações sobre os trabalhos na unidade. A intenção é aproximar os trabalhos da promotoria criminal, da Polícia Civil e da Corregedoria da Fundação Casa, que também investigam a ocorrência. As informações são do jornal  Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: fundação casatorturaespancamentoigspmenores

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas