Governo federal divulga nota de repúdio a agressão de menores em São Paulo

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Adolescentes foram espancados após uma tentativa de fuga em uma unidade da Fundação Casa, na Vila Maria

Agência Brasil

A Secretaria de Direitos Humanos (SDH) da Presidência da República divulgou nesta terça-feira (20) uma nota em que repudia as torturas e os maus-tratos sofridos por seis adolescentes em uma unidade da Fundação Casa, no Complexo da Vila Maria, em São Paulo, além de prestar solidariedade às vítimas e aos parentes. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) também se manifestou pedindo informações ao governo de São Paulo sobre o caso.

Leia também:
Ministério Público de São Paulo abre investigação sobre tortura na Fundação Casa
Alckmin estuda monitorar Fundação Casa por vídeo
Fundação Casa afasta quatro após tortura de jovens em unidade de SP

Futura Press
Fachada do Complexo Vila Maria da Fundação Casa, na manhã desta segunda-feira (19), após denuncias de violências contra seis adolescentes

O fato foi denunciado em reportagem transmitida, no último domingo (18), no programa Fantástico da Rede Globo de Televisão. Nas imagens, aparecem dois monitores agredindo seis internos. De acordo com a reportagem, os adolescentes foram espancados após uma tentativa de fuga.

Na nota, a SDH diz que há necessidade de medidas de prevenção quanto aos diferentes tipos de vulnerabilidade aos quais crianças, adolescentes e suas famílias são expostos. Também considerou acertada a decisão do governo paulista de afastar os acusados pelas agressões e informou que está acompanhando as investigações em andamento na Corregedoria da Fundação Casa e a apuração do Ministério Público do Estado de São Paulo.

Reproduçao TV Globo
Imagens flagraram agressões em unidade da Vila Maria

“O fato em nada representa o que está prescrito no Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – Sinase, que determina uma abordagem dedicada à reconstrução de projetos de vida e ao desenvolvimento da cidadania dos adolescentes, sob o olhar da proteção integral dos direitos fundamentais previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente”, destaca o comunicado.

O pedido de informações do CNJ foi encaminhado pelo juiz auxiliar da presidência do órgão, Márcio da Silva Alexandre, responsável pela área infracional do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas.

O promotor de Infância e Juventude, Matheus Jacob Fialdini, declarou ontem (19) à Agência Brasil que denúncias do gênero chegam com frequência ao Ministério Público. Segundo ele, o despreparo dos agentes socioeducativos para o exercício de suas funções já foi alvo de uma ação. Já a Fundação Casa divulgou nota garantindo que seus funcionários recebem treinamento adequado para o serviço. Ainda segundo a instituição, os menores agredidos foram levados para a unidade localizada no bairro do Brás, na Zona Leste.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas