São Paulo passa a ter a maior frota de helicópteros do mundo e adota restrições

Por Carolina Garcia - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisa revela que cidade passou operações de Nova York. Sistema de monitoramento agora tem nova restrição

A capital paulista alcançou outras dimensões de crescimento. O recente recorde está a pelo menos 3.500 pés e em 193 helipontos. Um estudo, realizado pela Associação Brasileira dos Pilotos de Helicóptero (Abraphe), revelou que São Paulo alcançou a maior frota e número de operações por asas rotativas entre cidades do mundo. E, para controlar a crescente malha aérea e seu tráfego, o Comando da Aeronáutica adota um sistema exclusivo de monitoramento para helicópteros e recorre a restrições de tráfego como a implementadas para os automóveis.

Labace: Legacy 500, da Embraer, é apresentado em feira e tem fila de espera
Novos megaprédios mudam a cara de avenidas empresariais de São Paulo

A 1° tenente Lizzie Andréia é oficial de comunicação do SRPV-SP, departamento que controla o espaço aéreo eixo Rio-SP. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloRegião do quadrilátero tem 12 km quadrados e é responsabilidade do Comando da Aeronáutica, desde 2004. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloDetalhe da tela do Helicontrol. Helicóptero com n° padrão A0100 aguarda autorização para entrar no quadrilátero. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloTela do Helicontrol. Helicóptero com matrícula A0101 (à dir.), número que recebe após ter autorização para entrar no quadrilátero . Foto: Carolina Garcia/iG São PauloReprodução do sistema avançado de gerenciamento de informações, o Sagitário. Ele surgiu para aperfeiçoar o X-4000. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloDetalhe da tela do sistema Sagitário. Ao clicar, controlador encontra informações do voo, como altitude e velocidade. Foto: Carolina Garcia/iG São PauloÁrea de monitoramento do SPRV-SP segue do terminal Rio de Janeiro e interligação com São Paulo, o chamado tubulão. Foto: Divulgação"Nos últimos 5 anos, tivemos um aumento anual de 20% de aeronaves no Estado", diz Luciano de Oliveira, da Abraphe. Foto: Carolina Garcia/iG São Paulo

Segundo a pesquisa, até o final de 2012, 411 aeronaves foram registradas em São Paulo e as operações de pousos e decolagens chegaram a 2.200/por dia. Nesse ranking, Nova York ganhou a 2ª posição com uma frota quase quatro vezes menor, com 120 helicópteros. Tóquio, com sua economia em declínio, garantiu o 3º lugar. “O número exorbitante provou nosso potencial”, disse Luciano de Oliveira, diretor da Abraphe. Os dados foram colhidos entre sete organizações internacionais.

SRPV-SP
Pontos que formam as fronteiras da área controlada em São Paulo

Há pelo menos 12 anos, a circulação dos helicópteros comerciais no polo financeiro desperta a atenção da Aeronáutica. Até então, os helicópteros, que não tinham nenhum monitoramento, dividiam o espaço aéreo com um dos terminais mais movimentados do País, o aeroporto de Congonhas, apenas pelo auto-comando (uso de rádio frequência e contato visual). Essa convivência trouxe prejuízos e atrasos para as principais companhias aéreas.

Secretaria autoriza construção de aeroporto em São Roque, em SP

Produção de helicópteros coloca Brasil entre gigantes mundiais

“Na época, pelo menos 80 TCAs (Traffic Collision Avoidance System, alarme que indica a existência de outra aeronave no perímetro) eram acionados por mês. Nesse estado, o avião é obrigado a arremeter, o que gerava atraso e custo para as empresas”, explicou a 1° tenente Lizzie Andréia Melhado Trevilatto, oficial do Serviço Regional de Proteção ao Voo de São Paulo (SRPV-SP), responsável pelo controle do espaço aéreo no eixo Rio-São Paulo.

Em 2004, a solução veio após o sistema Helicontrol, controle de radar de helicópteros, único no mundo e criado pela Aeronáutica em parceira com associações do ramo. Pela sua função, pode ser comparado ao monitoramento do centro expandido da capital, onde desde 1997 existe o rodízio municipal de veículos. Assim como na operação de tráfego de automóveis, o espaço controlado não se aplica a toda cidade, tendo seu acesso limitado a uma região chamada quadrilátero, que é delimitada pela avenida Paulista, ponte Estaiada, Estádio do Morumbi e Parque do Ibirapuera e tem 60 km² de extensão. Após sua implantação, o problema com os alarmes TCAs caiu para a média de dois acionamentos por mês.

A militar explica ainda que, assim como o rodízio de veículos, as restrições surgiram pela demanda. “Foi preciso criar a área controlada porque o espaço estava sendo usado por muitos alunos em voos de treinamento. Como na autoescola, quando o instrutor sente que você está mais experiente e quer colocá-lo para guiar na 23 de Maio ou avenida Paulista”. Quem não respeitar as limitações da Aeronáutica está sujeito a sanções da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Regras e restrições

O espaço é gerenciado por uma das torres de controle de Congonhas e por quatro controladores de voo específicos para os helicópteros, a cada turno de 8 horas com intervalos. “Seis aeronaves podem circular (com plano de pouso definido e autorizado) por vez no quadrilátero. E caso uma sétima apareça, tem que esperar", disse o 2° sargento Thiago Almeida Santana, na função há pelo menos oito anos.

Divulgação
Área de monitoramento do SPRV-SP, eixo Rio e São Paulo e a conexão "tubulão"

Assim como em solo, as discussões sobre mobilidade e alternativas alcançaram muitos metros acima. Ineficiente apenas com o rodízio, o trânsito de São Paulo ganhou as faixas exclusivas, que reduziram o desempenho dos carros e otimizaram parte do transporte público, por exemplo. Já em meio a hélices, o quadrilátero ganhou algumas “horas exclusivas”. Desde o dia 12 de julho, após notificação do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), voos panorâmicos ficaram restritos a três horários – das 9h às 13h, 16h às 18h e 20h às 23h.

Os horários coincidem com os picos de movimentação de Congonhas e a nova regra causou mal estar entre pilotos comerciais, órgãos reguladores e empresas de táxis aéreos. Para Jorge Bitar, diretor de Asas Rotativas da Associação Brasileira de Táxis Aéreos (Abtaer), a decisão afetou diretamente o lucro das empresas. “Não precisamos de ordens restritivas ao crescimento da economia. Em um mês já tivemos queda no setor de voos panorâmicos”. Ele cita que sobram apenas ruas e casas para serem sobrevoados já que os principais pontos turísticos fazem parte do espaço controlado.

Carolina Garcia/iG São Paulo
Helicópteros são monitorados pela Aeronáutica no quadrilátero de São Paulo

O argumento foi rebatido pelo presidente da Abraphe, Rodrigo Duarte, piloto há 14 anos que defende a regulamentação do espaço aéreo. “Com o crescimento da frota você tem uma limitação física de espaço. As restrições surgirão, é normal”, explicou. “Em apenas um mês já sentimos a diferença. Antes, o piloto tentava contato com a torre [de controle para conseguir autorização de voo] e não tinha resposta. Hoje está mais tranquilo. Ali só entra quem tem um motivo.”

O piloto minimizou também os supostos impactos no turismo em época de Copa do Mundo e Olimpíadas. Segundo ele, os voos panorâmicos não serão comprometidos. “É possível encontrar soluções, os pontos que eles querem visitar são os extremos do quadrilátero. O condutor pode ficar à margem e não sobrevoar. São dez metros de diferença”.

Atualmente, 2.758 pilotos estão credenciados na Anac com a licença de Piloto Comercial de Helicópteros (PCH) em atividades no País. No ano passado, foram emitidas 507 licenças do mesmo tipo. Até a última sexta-feira (16), em apenas oito meses de 2013, a procura aumentou e já são 540 profissionais credenciados. No entanto, o órgão regulador não soube informar os dados de São Paulo.

Leia tudo sobre: helicópterosespaço aéreoaeronáuticaigsptransporte

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas