Depoimento ajudará a traçar perfil psicológico do garoto. Mais de 31 pessoas já foram ouvidas

Agência Estado

A médica do estudante Marcelo Bovo Pesseghini, Neiva Damaceno, deve depor nesta terça-feira (20), segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), responsável pelas investigações sobre a morte do garoto e de outras quatro pessoas da sua família. Marcelo tinha fibrose cística, uma doença degenerativa. Neiva acompanhava o tratamento do menino desde que ele tinha um ano.

Leia também:
Família de PMs pode ter sido morta pelo filho adolescente em São Paulo
"O menino poderia ter sido salvo", diz deputado policial sobre mortes de PMs
Crime em São Paulo reacende discussão sobre desarmamento

O delegado responsável pelo caso, Itagiba Franco, disse que os depoimentos auxiliam a traçar um perfil psicológico do garoto, que é o principal suspeito da polícia. Mais de 31 pessoas já foram ouvidas no DHPP até a última sexta-feira (16). Para esta segunda-feira (19), não havia depoimentos agendados até as 15h30.

Hoje, as investigações entraram em sua terceira semana. Durante a madrugada - aproximadamente no mesmo horário em que os crimes foram cometidos - peritos do Instituto de Criminalística fizeram um exame acústico na casa da família. Eles atiraram dentro da residência para checar se o som dos disparos poderia ser ouvido. Equipes de reportagem, que ficaram distantes do local, conseguiram ouvi-los.

Para a polícia, Marcelo assassinou os pais, o casal de policiais militares, Luiz Marcelo e Andreia Regina Pesseghini, a avó materna e uma tia-avó na madrugada do dia 5. Pela manhã, ele assistiu normalmente às aulas do colégio e, ao voltar para casa, teria cometido suicídio. Devido ao diagnóstico, o garoto, de 13 anos, tinha uma baixa expectativa de vida. Uma das hipóteses é que esse fato teria motivado os crimes.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.