Com os depoimentos desta sexta-feira, ao todo, 31 pessoas já prestaram esclarecimentos sobre o caso

Agência Estado

Mais um colega de classe do estudante Marcelo Eduardo Bovo Pesseghini, de 13 anos, suspeito de matar sua família, depôs na manhã desta sexta-feira (16) no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Por meio de sua assessoria, a Polícia Civil informou que não comenta os depoimentos do inquérito.

Investigação: Polícia ouve diretora do colégio de Marcelo Pesseghini
Protesto: Manifestantes marcam ato no DHPP em defesa de Marcelo Pesseghini
Veja imagens do caso:

O garoto foi o sexto estudante da Colégio Stella Rodrigues, onde Marcelo estudava, a prestar depoimento nas investigações. Ainda nesta sexta-feira, o delegado responsável pelo caso, Itagiba Franco, vai ouvir o motorista da van que levava o menino até a escola. Com os depoimentos de hoje, ao todo, 31 pessoas já prestaram esclarecimentos sobre o caso. Segundo Itagiba, a polícia tenta traçar o perfil psicológico de Marcelo, principal e único suspeito até agora.

De acordo com as investigações, o garoto seria o responsável pelas mortes dos pais, o casal de PMs Luiz Marcelo e Andreia Regina Pesseghini, da avó e de uma tia-avó. Ainda segundo a versão policial, o garoto teria cometido os crimes na madrugada de segunda-feira (05), ido ao colégio pela manhã e, ao voltar para casa, se suicidado.

Leia mais:
Apenas laudo esclarecerá morte de PMs, diz secretário de Segurança de SP
Com apoio da polícia, colégio retoma as aulas em São Paulo
Crime em São Paulo reacende discussão sobre desarmamento

Na próxima semana, a polícia pretende chamar Neiva Damaceno, médica que acompanhava Marcelo desde que ele tinha 1 ano, para depor. O garoto tinha fibrose cística, uma doença degenerativa, que controlava com tratamento. Devido ao diagnóstico, Marcelo tinha uma baixa expectativa de vida.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.