Ato terá concentração no Vale do Anhangabaú, às 15h, e deve seguir em passeata por ruas com centro da capital

Agência Estado

Um protesto contra a suposta formação de cartel em obras e licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPMT) será realizado nesta quarta-feira (14) às 15h, na região central de São Paulo. O Sindicato dos Metroviários do Estado, o Movimento Passe Livre e outras 19 entidades - entre elas a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) - organizam uma concentração no Vale do Anhangabaú .

A saída: MPL encerra protestos, reforça origem de esquerda e diz que não é antipartidário
O retorno: MPL volta às ruas em ato contra desvios no Metrô de São Paulo

Protestos do MPL voltarão às ruas em São Paulo
Renan Truffi
Protestos do MPL voltarão às ruas em São Paulo

Em seguida, a manifestação deve seguir em passeata pelas ruas do centro da capital paulista até a Secretaria dos Transportes Metropolitanos. No Facebook, quase 7 mil pessoas confirmaram participação no ato. A manifestação pedirá um transporte coletivo estatal e de qualidade.

Na última terça-feira passada (06), as entidades distribuíram uma carta com a pauta de reivindicações em estações da cidade, convidando a população para participar do protesto. No texto, os órgãos afirmam que a denúncia de cartel investigada pela Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pode ter superfaturado em menos R$ 425 milhões obras e licitações do Metrô e da CPTM. Os manifestantes exigem que o dinheiro seja devolvido ao Estado e destinado à melhoria do transporte público e à redução das passagem, até a tarifa zero.

O grupo pretende entregar todas as reivindicações ao secretário dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes.

Cartel

A suspeita de formação de cartel no transporte metroviário de São Paulo teve início após denúncia da multinacional Siemens ao Cade. Como forma de delação premiada, a empresa forneceu uma série de documentos que comprovariam irregularidades no Estado e também no Distrito Federal. O Ministério Público Federal montou uma força tarefa para investigar o caso. Além da Siemens, entre as multinacionais investigadas estão CAF, Bombardier, Alstom e Mitsui.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.