Apenas laudo esclarecerá morte de PMs, diz secretário de Segurança de São Paulo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Grella defendeu a conduta da polícia e disse que "nenhuma linha de investigação pode ou deve ser descartada"

A morte dos PMs Luiz Marcelo e Andreia Regina Pesseghini só será esclarecida após laudos periciais, afirmou nesta segunda-feira (12) o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Fernando Grella. Em entrevista à Rádio Estadão, Grella disse que as provas colhidas até o momento confirmam a hipótese inicial da polícia de que o filho do casal, de 13 anos, teria assassinado os pais, suas avó e tia-avó e cometido suicídio. No entanto, "nenhuma linha de investigação pode ou deve ser descartada", lembrou o secretário.

Pichadores invadem terreno e escrevem nas paredes da casa da família morta em SP
Escola:
Com apoio da polícia, colégio retoma as aulas em São Paulo
Crime em São Paulo reacende discussão sobre desarmamento
Investigação: O que leva a polícia a apontar menino como autor do crime

Polícia faz perícia na casa da família de PMs, assassinados na Vila Brasilândia. Foto: Edison Temoteo/Futura PressCâmeras de segurança mostram momento em que garoto vai à escola no início da manhã de segunda-feira (05). Foto: Futura PressFoto em site de relacionamento mostra casal de policiais militares e o filho. Foto: ReproduçãoCarro da polícia patrulha a rua da residência onde foram encontrados os cinco corpos (06/08). Foto: Marcos Bezerra/Futura PressViatura policial em frente a residência no dia (06), na Vila Brasilândia. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGCasa onde foram encontrados os cinco corpos no bairro da Brasilândia, zona norte da cidade de São Paulo. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressPoliciais em frente a casa na Brasilândia, na manhã de terça-feira (06/08). Foto: Marcos Bezerra/Futura PressParte do portão e do muro da casa onde o corpos foram encontrados, na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressA porta de entrada da casa do policias encontrados mortos na segunda-feira (05/08). Foto: Marcos Bezerra/Futura PressAuto de lacração na casa onde foram encontrados os cinco corpos. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressDetalhe do portão da casa do policiais mortos em São Paulo. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressCasa onde foram encontrados os cinco corpos na segunda-feira (05/08), no bairro da Brasilândia, zona norte da cidade de São Paulo. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressPoliciais em frente ao portão da casa na tarde de terça-feira (06), em São Paulo . Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGFachada da escola onde estudava o menino de 13 anos. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGA escola do garoto também fica na zona norte de São Paulo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGO delegado Itagiba Vieira Franco, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso . Foto: Eduardo Ferreira/Futura PressO delegado geral da Polícia Civil, Luiz Mauricio Blazeck chegando ao DHPP, na quinta-feira (8). Foto: Futura PressColégio Stella Rodrigues, na zona norte de São Paulo, onde estudava o garoto . Foto: Futura PressResidência da família Pesseghini amanheceu pichada na sexta-feira (09). Foto: Futura PressPedestres caminham e observam a casa número 42 da família Pesseghini, na sexta-feira (09). Foto: Carolina Garcia/iG São PauloFachada do colégio onde o menino estudava em São Paulo, uma semana depois do crime. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGMovimentação em frente ao colégio na volta às aulas (12/08). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGMovimentação de policiais em frente a escola na Freguesia do Ó, em São Paulo, nesta segunda-feira (12). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGMuros da casa pichados nesta manhã de segunda-feira (12). Foto: Wandeley Preite SobrinoPara chegar até a casa, pichadores precisaram pular os muros. Foto: Wandeley Preite SobrinoCasa ao lado direito da residência dos Pesseghini também foi pichada. Foto: Wandeley Preite SobrinoPortão da casa estava pichado desde a semana passada.. Foto: Wandeley Preite SobrinoMuro em frente à casa onde ocorreu o crime também foi pichada. Foto: Wandeley Preite SobrinoDona da casa reclamou das pichações em seu muro. Foto: Wandeley Preite SobrinoNotícia do crime completa uma semana nesta segunda-feira (12). Foto: Wandeley Preite SobrinoMoradora tenta apagar as pichações no muro de sua casa. Foto: Wandeley Preite SobrinoOração fixada no portão da casa onde aconteceu as cinco mortes em São Paulo. Foto: Wandeley Preite Sobrino

Na última segunda-feira (05), a família foi encontrada morta em casa, na Brasilândia, zona norte de São Paulo. Familiares do garoto contestam a versão policial. Para Grella, somente os resultados dos laudos permitirão "conclusões definitivas" sobre o caso.

O secretario defendeu a conduta das investigações e disse que não houve precipitação ou tentativa de responsabilizar o menino Marcelo. Segundo ele, os laudos da perícia devem demorar cerca de 15 a 20 dias.

Pichações

Wandeley Preite Sobrinho
Muros da casa pichada na zona norte de São Paulo

Depois de escreverem a frase “que a verdade seja dita” no portão da família Pesseghini na semana passada, pichadores invadiram o terreno e picharam as paredes da casa pedindo “justiça”. Os muros de alguns vizinhos também foram pichados.

Janelas, portas e paredes foram cobertas com as frases, nem todas relacionadas ao caso. Uma oração digitada em papel sulfite sob o título “pelos que regressaram à espiritualidade” foi colada no portão com fita adesiva. Veja no vídeo abaixo:

Aulas

A escola onde Marcelo estudava retomou as aulas nesta segunda-feira, após suspensão das atividades na última terça, dia 6. Até mesmo uma comemoração do dia dos pais, programada para o sábado (10) foi cancelada.

Wanderley Preite Sobrinho/iG
Movimentação em frente ao colégio na volta às aulas

No retorno às aulas, pais e colegas duvidavam da versão da polícia. O assédio da imprensa causou confusão em frente ao colégio Stella Rodrigues. Para evitar que os pais se manifestassem, a diretoria pediu que os alunos entrassem direto para a classe. Três viaturas da polícia foram chamadas para fechar a rua até que todos os alunos estivessem estudando.

De acordo com as investigações, Marcelo teria assassinado a família na madrugada de domingo para segunda. Pela manhã, ele teria assistido normalmente às aulas e, ao voltar para casa, cometido o suicídio.

* Com AE

Leia tudo sobre: morte de policiaiscrimesão pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas