Relembre casos famosos de filhos que mataram os pais

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Suzane von Richthofen confessou a morte dos pais; Gil Rugai foi condenado, mas nega ter matado pai e madrasta

A suspeita de que um menino de 13 anos tenha matado quatro pessoas de sua família e depois se suicidado, na última segunda-feira (5), na Vila Brasilândia, zona norte de São Paulo, surprendeu o Brasil. Muitos até, desconfiam dos indícios de que ele seja responsável pelo crime. Essa, no entanto, não é a primeira vez a morte dos pais por um filho ou filha choca o País.

Opinião: Matando todos aos 13 anos

Vídeo: Imagens de carro que teria sido dirigido por menino

Relembre abaixo outros casos que provocaram grande repercussão nos últimos anos:

Suzane von Richthofen

AE
Suzane Richthofen em foto de 2006. Jovem foi condenada a 39 anos de prisão por matar os pais em 2002

Em 31 de outubro de 2002, Manfred e Marísia von Richthofen foram mortos a pauladas em sua casa no Campo Belo, bairro de classe média alta de São Paulo. Logo foi revelado que o crime, investigado inicialmente como latrocínio, foi planejado pela filha mais velha do casal, a estudante de direito Suzane von Richthofen, então com 18 anos, e executado por seu namorado Daniel Cravinhos de Paula e Silva, e pelo irmão dele, Cristian Cravinhos de Paula e Silva. Os três foram condenados pelo crime.

Na noite anterior ao crime, Suzane e Daniel levaram o irmão dela, Andreas, então com 15 anos, a um cybercafé onde ficaria durante a madrugada, enquanto os três executariam o plano. Os irmãos cobriram o rosto com meias de nylon e, com luvas, carregaram as barras de madeira e ferro para matar o casal.

A participação dos três no crime foi descoberta após Cristian comprar uma moto com notas de dólares roubadas da casa, usadas como pagamento por sua participação e retiradas da casa para simular o latrocínio. Tanto Suzane quanto os irmãos confessaram o assassinato com a intenção de ficar com o dinheiro do casal. Suzane e Daniel foram sentenciados a 39 anos e seis meses de prisão, e Cristian, a 38 anos e seis meses, em 2007. Saiba mais sobre o caso Suzane von Richthofen.

Gil Rugai

Alice Vergueiro/Futura Press
Réu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular que o condenou, neste ano, em SP

O ex-seminarista Gil Rugai teria aproveitado o silêncio da noite do dia 28 de março de 2004 para se aproximar da casa dos pais, em Perdizes, bairro de classe média alta em São Paulo, e arrombar uma das portas a pontapés. Empunhando uma pistola calibre .380, o jovem, então com  21 anos, não esperou que o pai e madrasta se virassem: Luiz Carlos caiu morto depois de receber cinco tiros nas costas. Alessandra levou seis tiros.

No início de 2013, ele foi condenado a 33 anos e 9 meses de prisão pelo duplo homicídio qualificado do pai, mas recorre em liberdade. Gil nega a participação na morte do casal, mas foi condenado devido ao depoimento decisivo do vigia que diz tê-lo visto deixar a residência do casal 20 minutos depois dos disparos. Segundo a defesa, o vigia foi pressionado pela polícia para dizer que viu o réu deixar o local do crime. O irmão de Gil, Léo Rugai, afirmou no julgamento que acredita na inocência do irmão.

Além de considerar Gil culpado, a maioria dos jurados (4 votos a 3) concordou que o duplo homicídio foi cometido por motivo torpe, em razão de o réu ter sido afastado da participação da administração da produtora de vídeo de Luiz Carlos, não se conformando com tal situação. Saiba mais sobre o caso Gil Rugai.

Roberta Tafner

AE
Roberta Tafner sendo transferida da delegacia onde ficou presa

A advogada Roberta Tafner, filha única, é acusada de ter planejado a morte dos pais, Wilson Roberto Tafner, de 68 anos, dono de uma empresa de representações, e Tereza Maria Nogueira Cobra, de 60 anos, advogada. O casal, que era separado, mas mantinha um bom relacionamento, foi atacado ao voltar para a casa, em Alphaville, bairro nobre da Grande São Paulo, após um jantar, em outubro de 2010, quando a filha tinha 29 anos.

O empresário recebeu dez facadas, enquanto a advogada levou 18, principalmente no rosto e cabeça. Objetos de valor, como notebook e jóias, não foram roubados, o que descarta a hipótese de latrocínio. O motivo, segundo a polícia, seria a herança (eles possuíam bens, imóveis e um seguro de vida de R$ 1 milhão que beneficiaria a filha). O marido de Roberta, William Souza, teria sido o autor. O casal ainda não foi julgado. Saiba mais sobre o caso Roberta Tafner.

Kleber Galasso Gomes

AE
O estudante de Direito Kleber Galasso Gomes, deixando a sede do DHPP

O estudante de Direito Kleber Galasso Gomes, de 22 anos, confessou ter assassinado a sua mãe, a ex-jogadora de volêi Magda Aparecida Galasso Gomes, de 53 anos. O crime aconteceu no apartamento da família em Perdizes, zona oeste de São Paulo, em fevereiro de 2012. 

Segundo a polícia, Kleber admitiu ter participado da morte da mãe após contradições em seu depoimento. Ele afirmou que queria dar um susto em sua mãe e um traficante havia concordado em ajudá-lo. Para tanto, levou o homem até casa, na rua dos Apinajés. De acordo com Kleber, foi o traficante que desferiu a primeira facada e, em seguida, fugiu. Os golpes subsequentes foram aplicados por ele.

O motivo do crime, de acordo com a polícia, teria sido a herança familiar. A mãe, uma jogadora de vôlei, era proprietária de dois imóveis, uma empresa e carros. Kleber era o único herdeiro. O caso ainda não foi julgado. Saiba mais sobre o caso Kleber Galasso Gomes.

Veja também: outros crimes que chocaram o País

Leia tudo sobre: crimesmorte de paisviolência doméstica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas