Manifestantes seguem acampados em frente à sede do governo de São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Cerca de 30 pessoas estão em barraca em frente ao palácio dos Bandeirantes desde a noite de sexta-feira

Agência Estado

Manifestantes continuam acampados em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (05). De acordo com a Polícia Militar, cerca de 30 pessoas estão no local desde a noite de sexta-feira (02). O grupo protesta contra o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), e pede esclarecimentos sobre a suposta formação de cartel nas licitações do Metrô e da Companhia Paulista de Trens (CPTM).

Fim de semana: Manifestantes acampam em frente à sede do governo paulista

Luiz Claudio Barbosa/Futura Press
Manifestantes acampam em frente ao Palácio dos Bandeirantes em São Paulo, na manhã desta segunda-feira

A mobilização, chamada "Ocupa Alckmin", foi organizada pelo Facebook. Com cartazes contra o governador e barracas montadas em frente ao portão de visitantes do Palácio, que fica na avenida Morumbi, zona sul da cidade, os manifestantes não têm previsão para deixar o local. A PM disse que monitora a ocupação, que segue pacífica.

Na rede social, os manifestantes reclamaram da atitude da PM, que teria demorado para atender uma jovem que passou mal. Segundo depoimento do grupo, a manifestante Laila sofreu um ataque epilético na manhã de domingo, 04, e, apesar do pedido de ajuda, os policiais que acompanham o protesto teriam levado cerca de cinco minutos para socorrê-la.

Mais:
Leia mais: Protesto de sexta-feira termina com quatro feridos e um detido
Cartel de trens e metrô: Superfaturamento pode chegar a R$ 577 milhões
Sexta: PM usa nova estratégia em mais um protesto contra Alckmin

Também no domingo, Luís Gustavo Chavez, de 23 anos foi preso acusado de pichar frases contra Alckmin em um dos muros do Palácio. O técnico de informática, de 23 anos, negou a autoria da pichação. Ele obteve um alvará de soltura expedido pela Justiça e foi liberado sem a necessidade de pagar a fiança, arbitrada em R$ 5 mil.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas