Manifestantes continuam acampados em frente à sede do governo paulista

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo de cerca de 20 jovens afirma que não pretende deixar a área até que reivindicações sejam atendidas

Agência Brasil

Cerca de 20 jovens estão acampados desde a madrugada de sábado (3) em frente ao Palácio dos Bandeirantes, no bairro Morumbi, sede do governo estadual, onde reside o governador Geraldo Alckmin. Eles chegaram ao local por volta da 1h, após participarem de um protesto na região da Avenida Paulista na noite de sexta-feira (2). O grupo diz que não pretende deixar a área até que as reivindicações apresentadas sejam atendidas.

Leia mais: Protesto de sexta-feira termina com quatro feridos e um detido

Cartel de trens e metrô: Superfaturamento pode chegar a R$ 577 milhões

Sexta: PM usa nova estratégia em mais um protesto contra Alckmin

Eles pedem a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar a recente denúncia de formação de cartel nas licitações do metrô e trem de São Paulo. Os manifestantes querem também a desmilitarização da polícia e a responsabilização do governo estadual em casos de violações de direitos humanos, entre eles a reintegração de posse da comunidade Pinheirinho, em São José dos Campos, e do Massacre do Carandiru.

Os manifestantes informaram que não houve confronto com a polícia que faz a guarda do palácio e que a situação é tranquila. "Eles pediram para a gente mudar de lado da rua e, que se a gente não mudasse, poderiam usar da força", disse um dos jovens, que não quis se identificar. Ele criticou, no entanto, que, no lado contrário à portaria, eles ficam mais expostos aos carros e sujeitos a acidentes. "Até porque não tem nenhum agente de trânsito aqui".

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), um dos jovens, que fazia parte do acampamento, um técnico em informática de 23 anos, foi detido no início da manhã de hoje e levado para o 89º Distrito Policial, no bairro Jardim Taboão. O boletim de ocorrência informa que ele foi pego por policiais militares "quando tentava fugir em um ônibus" após pichar o Portão 2 da sede do governo.

O jovem foi indiciado por danos ao patrimônio público e o delegado considerou também a conduta de causar tumulto em meio a manifestação pacífica por meio de atos de vandalismo. Foi definida fiança no valor de R$ 5 mil. A secretaria não informou se, até as 16h30, o manifestante havia sido liberado.

Os demais integrantes do protesto criticaram a prisão do técnico em informática e disseram que ele foi detido quando se deslocava para sua casa. "Ele foi abordado dentro de um ônibus. Quem está aqui agora está com medo de sair e ser surpreendido pela polícia", disse um dos manifestantes, que também pediu para não ser identificado.

Leia tudo sobre: manifestaçõesprotestosalckimingoverno de são pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas