São Paulo inaugura 1ª Unidade Básica de Saúde com prontuário eletrônico

Por Vitor Sorano - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Modelo vai testar tecnologia que disponibiliza histórico do paciente em diferentes postos de atendimento

Começa a funcionar na segunda-feira (5) a primeira Unidade Básica de Saúde (UBS) Integral da cidade de São Paulo, no Jardim Miriam, zona sul da capital. O modelo servirá de laboratório para o prontuário eletrônico, que armazena os dados do histórico do paciente, inclusive imagens e resultados de exames. A ideia é que ele possa ser abastecido com as informações de atendimentos realizados não só em UBSs, mas também em outros estabelecimentos de saúde do município. Segundo o prefeito Fernando Haddad, o sistema resultará em maior eficácia no tratamento, pois evitará as perdas de informação sobre o paciente.

Prefeito Fernando Haddad conversa com funcionários da Estratégia Saúde da Família na UBS Jardim Miriam II. Foto: Vitor Sorano/iGSecretário municipal de Saúde, José de Filippe Junior (esq.) e prefeito Fernando Haddad na sala de call center da UBS Jardim Miriam II
. Foto: Vitor Sorano/iGFuncionária na sala de remédios da UBS Jardim Miriam II. Foto: Vitor Sorano/iGPrefeito Fernando Haddad observa totem de avaliação da qualidade do atendimento na UBS Jardim Miriam II
. Foto: Vitor SoranoDesempregada Maria José Laurentino Silva Lima, de 54 anos, em frente à UBS Jardim Miriam II. "Antes levavam seis meses para marcar uma consulta. Vamos ver se melhora". Foto: Vitor Sorano/iGVista da ala de consultórios da UBS Jardim Miriam II. Foto: Vitor Sorano/iG

"Muitas vezes se perde muita informação. A pessoa se sentiu mal um dia e, como não tem consulta agendada na UBS, vai na AMA [Assistência Médica Ambulatorial, que presta pronto atendimento] ou no pronto-socorro. E a informação do médico que a atendeu não fica no histórico", afirmou o prefeito durante o discurso de inauguração da UBS Integral, neste sábado (3).

"Você perde aquela informação porque o prontuário eletrônico não existe. Aqui, não. A informação vai ficar no prontuário. Então, mesmo que o médico que atenda não seja o mesmo que vem acompanhando aquele usuário do Sistema Único de Saúde (SUS), você tem a informação preservada. Isso aumenta uma coisa que os médicos chamam de resolutividade, que é resolver o problema. Não é [prestar] um [tratamento] paliativo".

De acordo com o secretário municipal de Saúde, José de Filippi Jr, a meta da prefeitura é que o prontuário eletrônico esteja disponível em todo o sistema de saúde pública municipal de São Paulo até o fim de 2015.

"Esse seria um grande avanço para que o SUS recupere o prestígio, porque mesmo sistemas privados de saúde não têm ainda essa abrangência", afirma.

Unidade diferenciada
A UBS Integral é mais completa que as convencionais e principalmente em três pontos: presta atendimento sem hora marcada – a chamada demanda espontânea –; é aberta à população que trabalha ou estuda na região, e não só aos moradores; e conta com médicos especialistas além dos clínicos gerais.

"[O modelo de UBS antigo] virou um pouco o balcão do não. A pessoa chegava no balcão e diziam: o senhor tem agendamento? O senhor mora aqui? Não? Então o senhor não vai ser atendido", diz Filippe Junior. "O território [onde uma pessoa mora] é uma referência [para a organização do sistema de saúde] mas não pode ser excludente."

A UBS Integral Jardim Miriam II, como foi batizada, terá 162 profissionais – dos quais 22 médicos – com capacidade para atender uma população estimada em 40 mil pessoas. Além de atendimento ambulatorial e de especialidade básica, vai abrigar também a Estratégia Saúde da Família, focada na prevenção.

A promessa de campanha de Fernando Haddad (PT) é lançar outros 42 postos do tipo até o fim do mandato. Três deles (Vera Cruz, Maringá Talarico e Jardim Edith) devem estar prontos até o fim de setembro, segundo Filippe.

Mais investimento
Em seu discurso, o prefeito Fernando Haddad justificou o alto investimento na unidade (cerca de R$ 980 mil, somados a R$ 440 mil em equipamentos): "Essa UBS Integral custa mais caro do que as três partes constitutivas [Estratégia Saúde da Família, atendimento ambulatorial e de especialidade básica]. Mas o que nós temos aqui é a oportunidade para melhorar a resolução do problema. Aí você pode fazer baixar drasticamente o custo do sistema", disse.

Caso o modelo dê certo, segundo Haddad, poderá ser aplicado não só às outras 42 novas UBS a serem inauguradas, mas também às que já estão em atividade.

Leia tudo sobre: saúdeigspprontuário eletrônico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas