Mesmo após recuo do governo, médicos protestam em São Paulo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo federal anunciou que desistiu da proposta de ampliar em dois anos a graduação em Medicina no País

Agência Brasil

Cerca de 200 médicos, segundo cálculo da Polícia Militar, protestam no início da noite desta quarta-feira (31), em São Paulo, contra o programa Mais Médicos, lançado este mês pelo governo federal. Apesar de o governo ter recuado da proposta de ampliar em dois anos a graduação em medicina, os manifestantes criticam a possibilidade de entrada de médicos estrangeiros no país sem a revalidação do diploma.

Governo desiste de aumentar curso de medicina em dois anos

O protesto começou na sede da Associação Paulista de Medicina (APM), na avenida Brigadeiro Luiz Antônio, foi para a Paulista e está neste momento na rua da Consolação, onde está sediado o Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp).

Leia também:
Médicos espanhóis apostam no Brasil
Associação entra com liminar na Justiça para anular o Mais Médicos
Supremo dá 10 dias para governo explicar Mais Médicos
Após 'sabotagem', governo acrescenta nova regra no Mais Médicos

Manifestante se veste de caveira durante protesto de médicos em São Paulo, nesta quarta-feira (31). Foto: Futura PressFuncionários da saúde realizam protesto em São Paulo (SP), nesta quarta-feira (31), contra medidas do governo. Foto: Futura PressFuncionários da saúde realizam protesto em frente à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SP), nesta quarta-feira (31). Foto: Futura PressO objetivo do ato realizado em São Paulo, nesta quarta-feira (31), é pressionar o governador de São Paulo Geraldo Alckmin a cumprir os acordos que levaram a suspensão da última greve da categoria. Foto: Futura PressProtesto de médicos realizado no Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (31), é contra o programa Mais Médicos. Foto: Futura PressMédicos realizam manifestação na Cinelândia no Rio de Janeiro (RJ), nesta quarta-feira (31). Foto: Futura PressMédicos realizam protesto no centro de Florianópolis (SC), nesta quarta-feira (31). Foto: Futura PressMédicos protestam contra recentes decisões do Governo, incluindo a contratação de profissionais estrangeiros no centro de Florianópolis (SC), nesta quarta-feira (31). Foto: Futura PressEstudantes de medicina protestam no centro de Florianópolis (SC), nesta quarta-feira (31). Foto: Futura PressMédicos no centro de Florianópolis (SC), nesta quarta-feira (31), levam bexigas pretas para representar luto em relação ao sistema de saúde brasileiro . Foto: Futura PressParalisação de médicos na manhã desta terça-feira (30), no centro de Curitiba (PR). Foto: Futura PressMédicos realizam ato público na Hemorio, Centro do Rio de Janeiro (RJ), nesta terça-feira (30). Foto: Futura PressMédicos fazem novo protesto e paralisam as atividades em Brasília (DF), nesta terça-feira (30). Foto: Futura PressMédicos e estudantes de medicina realizam protesto saindo do Hospital Walfredo Gurgel com destino a Sede do Governo do Estado no Centro Administrativo em Natal (RN), nesta terça-feira (30). Foto: Futura PressMédicos realizam protesto saindo do Hospital Dutra no centro da cidade de São Luís (MA), nesta terça-feira (30). Foto: Futura Press

Para o presidente da APM, Florisval Meinão, o recuo do governo na questão do aumento do período de graduação em medicina era necessário, porque "a proposta é inaceitável e inadmissível, do ponto de vista técnico". No entanto, Mainão ainda demostrou desconfiança em relação à proposta do governo.

“Parece que o recém-formado, de uma maneira ou de outra, será enviado para atender a essa população mais vulnerável." O Programa Mais Médicos prevê o trabalho que os recém-formados trabalhem na periferia dos grandes centros e em cidades do interior, onde faltam profissionais de saúde.

Como alternativa à proposta do governo, o presidente da Associação Paulista de Medicina voltou a defender mais investimentos para a saúde e a criação de um plano de carreira público para os médicos. “Enquanto não se tratar da questão do financiamento, não há como levar uma saúde de qualidade para a população", afirmou o médico.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas