Cinco pessoas permanecem detidas após protesto em São Paulo

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo a SSP, manifestantes foram presos por jogarem pedras em uma viatura, que teve o vidro danificado

Agência Brasil

Os cinco manifestantes que foram presos durante o protesto ocorrido na última terça-feira (30) na capital paulista foram transferidos na manhã de hoje (31) dos distritos policiais para centros de detenção. Entre os detidos estão quatro homens que foram levados para o Centro de Detenção Provisória de Pinheiros e uma mulher encaminhada para a Penitenciária Feminina de Franco da Rocha.

Leia mais: Manifestação contra Alckmin termina com vandalismo e prisões

Protesto contra o governador Geraldo Alckmin. Foto: Dario Oliveira/Futura PressConcessionária de carro também foi atacada. Foto: Futura PressManifestantes depredaram agência bancária. Foto: Futura PressPoliciais acompanharam o protesto desde o início. Foto: Futura PressCerca de 150 pessoas se concentraram no Largo da Batata, na zona Oeste. Foto: Futura Press

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, policiais militares acompanhavam a manifestação quando as cinco pessoas que acabaram presas começaram a jogar pedras em uma viatura, que teve o vidro dianteiro danificado. Em seguida, foi feita a abordagem dos manifestantes, que resistiram à prisão, "sendo necessário o uso de força moderada", segundo informações do boletim de ocorrência.

A secretaria informou ainda que as pessoas detidas carregavam leite de magnésia, vinagre, máscaras e pincel atômico. Segundo o órgão, esses objetos foram utilizados no confronto com a Polícia Militar. Os presos estão sendo acusados de dano qualificado, formação de quadrilha e desacato à autoridade.

O ato, convocado pelas redes sociais, ocorreu na Avenida Rebouças, sentido Avenida Paulista, uma das principais vias da capital, em protesto contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pela desmilitarização da polícia e em solidariedade ao pedreiro desaparecido Amarildo de Souza, do Rio de Janeiro.

A secretaria informou também que, durante o protesto, quatro agências bancárias tiveram vidros, portas e caixas eletrônicos danificados. Uma concessionária teve vidros quebrados e a fachada pichada. Além disso, cinco veículos foram danificados, dois deles com pichações.

Uma nova manifestação está agendada para essa quinta-feira (1), às 17h, em frente à sede da prefeitura de São Paulo. Mais de 2 mil pessoas confirmaram presença na página do evento em uma rede social.

Leia tudo sobre: protestossão pauloigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas