Mais três policiais investigados por envolvimento com tráfico se entregam em SP

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Daniel Bazzan, Leonel Rodrigues Santos e Silvio Cesar de Carvalho Videira se apresentaram na corregedoria

Agência Brasil

Três policiais civis investigados por envolvimento com o tráfico de drogas se entregaram nesta terça-feira (30) à Corregedoria-Geral da Polícia Civil. Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública, Daniel Dreyer Bazzan, Leonel Rodrigues Santos e Silvio Cesar de Carvalho Videira se apresentaram ao órgão por volta das 6h de hoje

Leia também: Após prisão de policiais, SP modifica estrutura da Corregedoria
A operação: Policiais sequestraram e torturaram para receber propina
Campinas: Investigadores ficam calados em depoimento.

Eduardo Ferreira/Futura Press
Fachada da Corregedoria Geral da Polícia Civil, na rua da Consolação, em São Paulo

No total, treze policiais e ex-policiais do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc) tiveram a prisão preventiva decretada no dia 15 de julho, suspeitos de envolvimento com traficantes de drogas. Sete deles já haviam sido presos no mesmo dia. Dois policiais, segundo a corregedoria, foram soltos na semana passada. As investigações da Corregedoria-Geral da Polícia Civil e pelo Ministério Público de São Paulo indicam que eles recebiam entre R$ 200 mil e R$ 300 mil por ano em propinas, pagas por traficantes. Os policiais responderão por crimes de formação de quadrilha, roubo, tortura e extorsão mediante sequestro.

A corregedoria informou ter adotado todas as providências legais cabíveis e que instaurou procedimentos para apurar a conduta de cada policial envolvido na investigação. Já a Polícia Civil disse que não compactua com desvios ou prática de ilícitos por parte de policiais.

Ontem (30), delegados fizeram uma manifestação pelas ruas do centro de São Paulo contra as prisões. Eles saíram em caminhada, por volta das 14h30, da sede da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo. O grupo passou em frente ao prédio da prefeitura, da Secretaria de Segurança Pública e chegou à sede do Ministério Público de São Paulo (MP-SP), órgão que comanda as investigações. Após o protesto, representantes do Ministério Público e das chefias da Polícia Civil se reuniram e decidiram que terão reuniões periódicas para tratar de questões institucionais e melhorar a cooperação entre os órgãos.

Leia tudo sobre: denarccorregedoriapolícia civiligsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas