Protesto contra governador Sérgio Cabral tem depredação e vandalismo em SP

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Parte do grupo queimou lixo, destruiu pelo menos três agências bancárias e botou fogo em van da TV Record

Protesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura PressProtesto termina em destruição em São Paulo. Foto: J. Duran Machfee/Futura Press

Pelo menos 400 manifestantes, segundo a Polícia Militar, fizeram um protesto na noite desta sexta-feira (26) em São Paulo. O ato começou na avenida Paulista, onde o grupo bloqueou a faixa sentido Paraíso, e seguiu pela avenida Bernardino de Campos. Outro grupo foi pela avenida 23 de Maio e interrompeu o trânsito no sentido da ligação Leste-Oeste. Durante a manifestação, uma parte do grupo destruiu agências bancárias, queimou lixo e incendiou uma van da TV Record. O protesto só dispersou por volta das 21h.  

Mais: Rio tem protesto contra Cabral e gastos da Jornada Mundial da Juventude

Os manifestantes protestaram contra o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, e reivindicaram o fim da violência policial. Mas o grupo se dividiu entre os que apelaram para o vandalismo, pichando muros e paredes, depredando três agências bancários - duas do Itaú e uma do Santander - e destruindo semáforos, e os que condenavam os atos de depredações.

Leia também:
O futuro do atual levante niilista
Preso em ato não portava coquetel molotov, diz PM
Policiais com coletes numerados circulam entre manifestantes no Rio

Uma van da TV Record foi parcialmente incendiada. Alguns integrantes tinham os rostos cobertos e há a suspeita de que fizessem parte do grupo Black Bloc.
Uma unidade do Banco Itaú perto do metrô Trianon-Masp teve as paredes pichadas e o corrimão quebrado. Em um prédio do Citibank, foram pintados símbolos de anarquia e a mensagem: "Era Punk: morte ao capital".

Outra agência, do Banco do Brasil, teve os vidros quebrados. Parte dos manifestantes ainda colocou fogo em sacos de lixo e destruiu duas cabines da Polícia Militar, que foram jogadas na pista. De acordo com os PMs que acompanhavam o protesto, a ordem era para não intervir.

Ao fim do protesto, 11 homens e uma mulher foram averiguados por policiais, que procuravam envolvidos na depredação de agências bancárias e cabines da PM na região central de São Paulo. Depois de 20 minutos, o grupo também foi liberado.

Alguns ativistas seguravam também faixas contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP). O movimento não identifica líderes, mas diz ser contrário à violência policial na capital fluminense, registrada recentemente no Leblon, bairro zona sul carioca. A CET orienta que os motoristas evitem a região.

*Com informações da Agência Brasil e Agência Estado

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas