Mais dois policiais investigados por corrupção se entregam à polícia em SP

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Gilson Iwamizu dos Santos e Jandre Gomes Lopes de Souza se apresentaram na sede da corregedoria da polícia

Os policiais Gilson Iwamizu dos Santos e Jandre Gomes Lopes de Souza, ambos de 39 anos, se apresentaram na manhã desta quarta-feira (17) na sede da corregedoria da Polícia em São Paulo. Com eles, nove policiais estão detidos pela acusação de ligação com o suposto esquema de cobrança de propina de traficantes envolvendo o Departamento Estadual de Investigações sobre Narcóticos (Denarc). A investigação é conduzida pelo Ministério Público (MP) do Estado.

A operação: Policiais sequestraram e torturaram para receber propina de traficantes, diz MP
Campinas: Investigadores ficam calados em depoimento

Continuam foragidos quatro policiais que, segundo as investigações, cobravam de traficantes da favela do São Fernando, em Campinas, para que pudessem trabalhar livremente. O MP continua ouvindo nesta tarde um delegado preso na operação.

Eduardo Ferreira/Futura Press
Fachada da Corregedoria Geral da Polícia Civil, na rua da Consolação, em São Paulo, para onde foram encaminhados os policiais presos


Gilson e Jandre atuavam como investigadores na 3ª Delegacia da Divisão Especial de Apoio ao Demacro (Deap), do Departamento Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Eles foram presos e encaminhados ao Presídio da Polícia Civil.

O caso

As prisões dos policiais investigados por achaque a traficantes e vazamentos de inquéritos começaram na segunda-feira (15), na capital paulista e em Campinas. A maioria é integrante ou ex-funcionário do Denarc. As denúncias apontam para pagamento de propina mensal de até R$ 30 mil. Após a operação, que incluiu a maior devassa no departamento desde 1987, a Secretaria da Segurança destacou que o Denarc será reformulado.

Dois dos presos eram delegados do departamento: o supervisor da Unidade de Investigações (responsável pelo setor de inteligência), Clemente Castilhone Junior, e Fábio Amaral de Alcântara, da 3.ª Delegacia de Apoio. Foram expedidos 13 mandados de prisão contra policiais - 11 em São Paulo e 2 em Campinas, onde começou a investigação, com base em escutas de traficantes feitas a pedido do Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público.

*Com AE

Leia tudo sobre: policiais civiscampinasigsptráfico de drogas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas