Passeata sairá às 16h da sede do Conselho Regional de Medicina, na Consolação, e seguirão até a Praça Roosevelt

Agência Estado

Médicos e estudantes fazem nesta terça-feira (14) nova manifestação contra a importação de profissionais estrangeiros para atuar no Sistema Único de Saúde (SUS) e contra o aumento em dois anos da graduação em medicina - tempo que será usado para que o aluno trabalhe na rede pública. As mudanças foram anunciadas pelo governo federal.

Leia também:
Dilma sanciona lei do Ato Médico com vetos
Entidades médicas ameaçam entrar na Justiça contra medidas do governo
Médicos organizam protestos em pelo menos 13 Estados nesta terça-feira

Médicos realizam protesto na avenida Paulista, em São Paulo
J. Duran Machfee/Futura Press
Médicos realizam protesto na avenida Paulista, em São Paulo

Os profissionais farão um cortejo fúnebre para "enterrar" a presidente Dilma Rousseff e os ministros da Saúde, Alexandre Padilha, e da Educação, Aloizio Mercadante.

Eles sairão às 16h da sede do Conselho Regional de Medicina, na Consolação, e seguirão até a Praça Roosevelt. As entidades médicas devem anunciar nesta terça-feira as medidas jurídicas que vão tomar contra as decisões - a mais provável é uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin), já que elas consideram inconstitucional obrigar o formando a trabalhar no SUS. Veja abaixo imagens de protestos de médicos pelos Brasil:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.