Data de 9 de Julho dá nome de universidades até padarias

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

A data marcada pela Revolução de 1932 está presente em estabelecimentos comerciais de todo tipo em SP

Agência Estado

Hospital, padaria, universidade, barbearia, guincho, rádio, lanchonete. Tudo chamado 9 de Julho. A data imortalizada pela Revolução de 1932 está presente em estabelecimentos comerciais de todo tipo em São Paulo.

Leia: Veja o que abre e o que fecha no feriado de 9 de julho na capital paulista

Daniel Torres
Túmulo de um dos heróis da revolução, Guilherme de Almeida, autor do poema que está gravado nos quatro lados do obelisco

"Sempre gostei de História. Quando estava procurando um nome para a barbearia, ganhei de um amigo um álbum de figurinhas do IV Centenário (da fundação de São Paulo). Aí pensei: por que não usar um nome que tem tudo a ver com São Paulo?", conta o barbeiro Tiago Cecco, proprietário da descolada Barbearia 9 de Julho - hoje em cinco endereços. Para quem quiser conferir, o álbum faz parte da decoração da unidade mais antiga, na Rua Augusta.

Saúde e educação

Já o Hospital 9 de Julho tem história mais longa. A instituição se chamava Nossa Senhora da Conceição. Em 1955, a empresa foi comprada por um grupo de médicos que, 11 anos mais tarde, adquiriu um terreno em frente à Avenida 9 de Julho, para expandir o hospital.

"Que foi rebatizado para Hospital 9 de Julho, nome que a família controladora já vinha cogitando tanto para homenagear a revolução como por causa da localização", afirma a assessoria do hospital. "A instituição faz aniversário no dia em que se lembra a Revolta Constitucionalista de 1932, em 9 de julho."

Mais:
SP assina obra em monumento constitucionalista fechado desde 2002
"Olho para trás e vejo que valeu a pena", diz ex-combatente de 32, aos 97 anos

Na capital paulista, ainda há muitos exemplos. Da Rádio 9 de Julho, emissora católica controlada pela Arquidiocese de São Paulo, à Caroline Nove de Julho, padaria localizada no bairro de São Mateus, zona leste paulistana. Instituição privada de ensino, a Uninove oficialmente se chama Universidade Nove de Julho - a reportagem questionou-a, na última quarta-feira, sobre a razão do nome; via assessoria, a Uninove afirmou não saber o motivo.

As homenagens à Revolução de 1932 também se espalham pelo interior. Em Sorocaba, há o Guincho 9 de Julho. "Existe há 48 anos e quando foi fundado ficava em outro endereço, a 100 metros de uma praça que se chama 9 de Julho", conta a proprietária, Mércia da Silva Soares.

Em São José dos Campos, funciona a Padaria 9 de Julho. Catanduva tem a Pastelaria Nove de Julho. Em Porto Feliz, o nome é de uma lanchonete. Cicatriz de um episódio caro à História paulista, a data permanece presente. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas