Excesso de ruído causa autuação em obra do Metrô de São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

A infração é referente ao canteiro do Poço Bandeirantes, em Campo Belo, zona sul

Agência Estado

A Prefeitura de São Paulo autuou os responsáveis pela obra de expansão da Linha 5-Lilás do Metrô por excesso de ruído e outras irregularidades ambientais. Houve o pedido de suspensão parcial das atividades.

Leia também: Obras são principal desafio, diz presidente do Metrô de São Paulo

A infração foi lavrada no dia 14 do mês passado e trata do canteiro do Poço Bandeirantes, situado na Rua Rita Joana de Sousa, no Campo Belo, zona sul.

Divulgação
Obra da Linha 5-Lilás do Metrê de São Paulo

É justamente neste local que, na segunda-feira (1), o governador Geraldo Alckmin (PSDB) participou de uma cerimônia para o içamento da roda de corte do chamado tatuzão, máquina que escavará e montará uma parte do túnel da Linha 5-Lilás.

De acordo com o processo da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA), o consórcio responsável pelas obras deveria suspender as atividades relacionadas a emissão de dejetos sem sistema de contenção e tratamento. "Ficam paralisadas ainda", continua o documento, "emissões de materiais particulados na atmosfera e atividades relacionadas ao seu lançamento".

A SVMA divulgou que o canteiro também emitia ruídos em um nível acima do permitido por lei. Além do auto de infração, houve um de multa e outro de suspensão das atividades. O valor da multa, assim como o patamar do barulho identificado na obra, não foi divulgado.

A pasta informou que os responsáveis têm 20 dias para recorrer a partir da notificação, realizada na última segunda-feira (1). Seria também nesta data que a obra deveria ficar paralisada, o que, porém, não ocorre.

Em nota, o Metrô informou que "todos os canteiros" da obra têm "rigoroso controle" da disposição dos materiais e que o auto de infração foi lavrado após o fim das atividades do Consórcio Andrade Gutierrez/Camargo Corrêa, "o que não interferiu na continuidade" da obra. "O consórcio autuado solicitou a nulidade do termo de suspensão" à SVMA. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: metrôautuaçãoigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas