Prefeito de São Paulo suspende obra de túnel de R$ 2,4 bilhões

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Construção ligaria avenida da zona sul à rodovia dos Imigrantes. Contrato previa ainda a remoção de 16 favelas

Agência Estado

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), decidiu suspender a construção do túnel de 2,3 km que ligaria a avenida Jornalista Roberto Marinho à rodovia dos Imigrantes, na zona sul de São Paulo, uma das maiores e mais polêmicas obras herdadas da gestão Gilberto Kassab (PSD). A obra era planejada para criar uma alternativa para motoristas que vão às praias do litoral sul - hoje, o acesso à Imigrantes é feito pela avenida dos Bandeirantes.

Haddad e Alckmin anunciam redução no preço da passagem em SP
Saiba como funciona o transporte público em 5 grandes cidades do mundo

Divulgação
Prefeito da capital Fernando Haddad anuncia redução da passagem (arquivo)

Assinados por Kassab, os contratos para a construção do túnel e para a remoção de 40 mil moradores em 16 favelas no Brooklin somavam mais de R$ 2,4 bilhões. Os lotes licitados que previam a reformulação da avenida Chucri Zaidan e a construção de 8 mil moradias para as famílias que serão retiradas de favelas ao longo da avenida Roberto Marinho serão mantidos, segundo o governo.

Mas o túnel não é mais "prioritário", de acordo com a prefeitura. Haddad já declarou que pretende priorizar investimentos no transporte público e "comprar briga" com donos de carros. O novo acesso à Imigrantes previa desafogar a quase sempre congestionada avenida dos Bandeirantes, cujo trânsito para carros deve ficar ainda pior com a faixa exclusiva de ônibus prevista para a via.

A assessoria do governo informou, por meio de nota, que "depois do processo de audiência pública, a prefeitura optou por uma inversão do processo referente à Operação Urbana Água Espraiada". "A duplicação da avenida Chucri Zaidan, a construção de habitação de interesse social e a criação do parque linear passaram a ter prioridade em relação ao túnel."

A construção de um parque linear de 3,4 km de extensão, também previsto nos contratos, está mantida. O governo, entretanto, estuda retirar do pacote outra obra viária que priorizaria o transporte individual: a construção de dois viadutos sobre o Rio Pinheiros para interligar as regiões de Santo Amaro e do Panamby, na zona Sul. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: fernando haddadtúnelobrasdesapropriaçãoigsptransporte público

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas