Vigilância Sanitária lacra sala cirúrgica em hospital estadual em Guarulhos

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Falta de higiene e de material seria a razão para a intervenção no Padre Bento, que nega a informação

Divugação
Fachada do Hospital Padre Bento, em Guarulhos

A Vigilância Sanitária lacrou na última quarta-feira (26) uma das salas de cirurgia do hospital estadual Padre Bento, em Guarulhos, região Metropolitana de São Paulo. O complexo nega a informação, repassada pela assessoria da Secretaria Estadual de Saúde.

A reportagem conversou por telefone com uma funcionária do setor, que confirmou o fechamento da sala 6 e do quarto de pós-operatório. Ela evitou entrar em detalhes, que foram repassados ao iG por duas médicas que preferiram manter seus nomes sob sigilo.

Leia também: Após reclamações, Hospital do Servidor inicia reforma

Hospital gratuito para cães e gatos faz sucesso e ganha nova unidade

De acordo com elas, cachorros passeiam livremente pelo complexo, onde faltaria até papel higiênico para funcionários e pacientes. Elas relatam ocorrência de infecção hospitalar, uma das principais razões para a intervenção.

Uma delas afirma que alguns pacientes são obrigados a comprar frauda geriátrica, também em falta.

O Padre Bento é um dos hospitais mais importantes da Grande São Paulo. Nele, são feitas cirurgias geral, oftalmológicas e dermatológicas. Além de Guarulhos, pacientes das cidades vizinhas de Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetua e Mogi das Cruzes recorrem ao complexo.

Questionada sobre o assunto, a Secretaria pediu informações ao hospital, que negou a denúncia: “O Complexo Hospitalar Padre Bento informa que não procede, de maneira nenhuma, a informação de que o centro cirúrgico da unidade foi fechado. Houve apenas uma visita de rotina da Vigilância Sanitária nesta semana. No entanto, é importante deixar claro que não houve, em momento algum, interrupção dos serviços e as cirurgias estão sendo realizadas normalmente na unidade.”

Segundo as médicas, o hospital não dá detalhes do que aconteceu até entre seus funcionários, que estariam proibidos de se aproximar da sala fechada.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas