Justiça rejeita prisão e estudante detido por depredar a prefeitura é liberado

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Pierre Ramon Alves, de 20 anos, foi levado ao Deic e liberado horas depois após ter seu pedido de prisão negado. Ele responderá em liberdade pelo crime de dano ao patrimônio

O estudante de arquitetura Pierre Ramon Alves, de 20 anos, detido após confessar atos de depredação contra o prédio da Prefeitura de São Paulo, foi liberado na noite de quarta-feira (19). Segundo a Delegacia de Combate ao Crime Organizado (Deic), responsável pelas investigações e prisão do suspeito, Alves chegou a ser indiciado por formação de quadrilha e dano ao patrimônio público, mas a Justiça negou seu pedido de prisão.

Reprodução
Cena de depredação à prefeitura reproduzida da TV

Entenda: Imagens de invasor de SP são divulgadas em rede social

6º ato: Protesto em SP se divide entre passeata pacífica e atos de vandalismo

O estudante, que foi liberado por volta das 23 horas, responderá em liberdade apenas pelo crime de dano ao patrimônio. Ainda segundo a Polícia Civil, o jovem está colaborando com as investigações. De posse dos nomes dos amigos dele, a polícia faz buscas por outros suspeitos dos ataques.

A prisão

Na tarde desta quarta-feira (19), na região do aeroporto de Congonhas, o estudante de arquitetura da FMU, suspeito de ser o jovem de camisa branca que liderou a depredação à sede da Prefeitura de São Paulo nesta terça-feira.

O delegado titular do Deic, Antonio de Olim, pediu a prisão temporária do jovem, que está detido na sede da divisão e estava acompanhado pelo pai, que é advogado. Ele foi reconhecido pela imagens divulgadas pela TV e a polícia aguarda a chegada de mais imagens, do jovem sem máscara, para comprovar sua identidade.

De acordo com o delegado, a polícia fazia buscas pelo estudante desde ontem, mas ele não teria dormido em sua casa. Nesta tarde, enquanto trabalhava com o pai, ele foi detido.

O jovem afirmou que foi ao protesto com mais quatro amigos que também teriam participado do quebra-quebra nas ruas do centro da capital. "Fui ao protesto e fiz o que fiz", teria dito o suspeito. "Ele se achou o super-heroi", disse o delegado. 

*com informações da reportagem de Vasconcelos Quadros, do iG São Paulo 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas