Atos de vandalismo e protesto pacífico dividiram as ruas de São Paulo durante o sexto ato contra o aumento da passagem dos transportes públicos

Um dia depois que milhares de pessoas saíram às ruas pacificamente contra o aumento da passagem de ônibus em todo o Brasil, os grupos de manifestantes que ficaram de fora do ato da segunda-feira (17) em São Paulo decidiram aparecer na manifestação de terça, que teve início na Praça da Sé, onde 50 mil se reuniram.

Mais: Protesto em São Paulo se divide entre passeata pacífica e atos de vandalismo
Manifestantes ateiam fogo em veículo de emissora de TV em São Paulo; assista
Na TV: Temendo por repórteres, Globo tira marca de microfones

O protesto começou por volta das 17h com o mesmo clima de otimismo do dia anterior. A parte do grupo que se perdeu no percurso encontrou o restante duas horas depois depredando a sede da Prefeitura, no Viaduto do Chá. Sem policiamento, alguns quebraram vidraças, tentaram arrombar uma porta lateral e incendiaram o carro de uma emissora, tudo sob vaias e protestos dos manifestantes pacíficos.

Em noite de barbárie, manifestantes atiram pedra até contra o ‘Super-Homem’
Em maratona de passeatas, manifestantes trocam atividades físicas pelo protesto

Quando a polícia chegou, os grupos tentaram chegar à Avenida Paulista. Um deles ficou encurralado na Rua Augusta pela Tropa de Choque. Alguns participantes sentaram no chão virados para os policiais e cantaram o Hino Nacional em tom de sátira. Os soldados recuaram depois de quase uma hora de negociações.

Veja imagens do 6º protesto:

........

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.