Manhã na capital paulista e região foi marcada por protestos contra o aumento da tarifa dos transportes públicos. Líderes de movimento serão recebidos pelo Secretário de Transportes

Agência Brasil

Os cerca de mil manifestantes que protestaram nesta manhã  contra o aumento da tarifa no transporte público na região do M'Boi Mirim, periferia do extremo sul da capital paulista, deixaram a frente da sede da subprefeitura de M'Boi Mirim. Após reunião com o subsecretário Antônio Carlos Dias de Oliveira, os líderes dos movimentos serão recebidos pelo secretário de Transportes, Jilmar Tatto. Os manifestantes seguiram em passeata pela avenida M'Boi Mirim, importante acesso da zona sul da cidade ao Terminal Jardim Ângela.

Hoje: SP amanhece com novos protestos por moradia, reajuste salarial e contra tarifa
Ontem: Protesto em São Paulo se divide entre passeata pacífica e atos de vandalismo
Fotos e vídeos: Veja imagens do sexto dia de protesto em São Paulo

Segundo Guilherme Simões, representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), da reunião com o subprefeito ficou definido que será criada uma comissão com líderes dos movimentos sociais para discutir periodicamente os principais problemas da região. Guilherme defendeu mais atenção ao transporte público na periferia. “Estamos pedindo, além do [fim] do aumento nas passagens, melhorias no transporte. Aqui é uma das regiões mais precárias de São Paulo”, disse. De acordo com ele, a região precisa de mais metrô que atenda aos bairros da zona sul e do aumento do número de linhas de ônibus.

Vídeo:  Manifestantes cantam Hino em frente ao Choque e outros depredam Prefeitura
Manifestantes ateiam fogo em veículo de emissora de TV em São Paulo; assista
Na TV: Temendo por repórteres, Globo tira marca de microfones

O ato, que começou por volta das 7h, manteve-se pacífico durante a maior parte. Porém, uma confusão teve início após um homem tentar agredir uma mulher. Segundo o tenente da PM Galindo, esse homem, ainda não identificado, foi responsável pelo grande tumulto. Pedras foram jogadas contra o prédio da subprefeitura e houve tentativas de derrubada dos portões. A Guarda Civil Metropolitana (GCM) usou gás de pimenta e cacetete para conter a confusão.

Vanessa de Souza, representante do MTST, disse ter visto duas mulheres serem agredidas. “Ele tomou as faixas e bateu nelas. O povo se revoltou e começou a empurrar o homem para a grade. Daí, ele mostrou a carteira de Guarda Civil Metropolitana e o povo ficou revoltado, sacudiu a grade”, relata.

Uma dessas mulheres era a cobradora Fabiana Alves. “Ele bateu em mim e na minha sobrinha. Na hora que ele puxou o cabelo dela para dar um soco, ela escorregou e eu caí por cima, puxando a blusa dele. Aí o pessoal começou a tumultuar, bater nele, foi a maior confusão. Antes, estava pacífico, todo mundo dando seus gritos de ordem. Sou cobradora de ônibus, vim porque não acho justo os R$ 3,20 e o meu salário não aumenta”, reclamou.

O tenente Galindo informou que o homem detido não portava os documentos e ainda não foi feita a sua identificação. Segundo o tenente, o homem tem vários ferimentos no rosto, mas sem gravidade. Ele será encaminhado para o 92º DP.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.