O que os manifestantes querem? Leia nos cartazes

Por Susan Souza - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Placas dos participantes do quinto ato de segunda-feira pelo aumento das passagens em São Paulo mostram diversidade do protesto

Movimentação em frente ao Palácio dos Bandeirantes após o protesto do Movimento Passe Livre contra o aumento da tarifa. Foto: Futura PressManifestante faz protesto contra a presidente Dilma Rousseff. Foto: Renan Truffi/iG São PauloPais na manifestação. Foto: Natalia Eiras/iGPais na manifestação. Foto: Natalia Eiras/iGCena da manifestação contra o aumento das passagens de ônibus na capital paulista em 17/06. Foto: Igor Frias VieiraCena da manifestação contra o aumento das passagens de ônibus na capital paulista em 17/06. Foto: Igor Frias VieiraCena da manifestação contra o aumento das passagens de ônibus na capital paulista em 17/06. Foto: Igor Frias VieiraCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGCartazes dos manifestantes do protesto de segunda-feira (17) em São Paulo. Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGManifestante empunha cartaz durante protesto do Movimento Passe Livre na segunda-feira (17). Foto: Susan Souza/iGInício da passeata que saiu do Largo da Batata, na Zona Oeste de São Paulo. Foto: Futura PressManifestante empunha cartaz no início do protesto no Largo da Batata. Foto: Natália EirasCartaz na entrada do metrô Faria Lima ironiza prisão de jornalista que  no protesto de quinta portava vinagre para se proteger do gás lacrimogêneo. Foto: Vitor Sorano/iG

Placas criativas foram empunhadas pelos manifestantes que participaram da quinta passeata contra o aumento das tarifas de transporte público, que aconteceu nesta segunda-feira (17), em vários pontos do País.

Em São Paulo, o desejo inicial era protestar contra o reajuste de 20 centavos mencionado nos dizeres, mas o descontentamento com outras questões como educação, impostos elevados, corrupção e os gastos com a Copa do Mundo de 2014 pluralizaram o discurso.

Leia:
Secretário de Segurança de SP muda discurso e parabeniza manifestantes
População pede distância aos partidos políticos em protesto em São Paulo
Em São Paulo, passeata de 60 mil pessoas vira protesto contra 'tudo'

"Copa da impunidade", "Mais amor por favor", "Não uso busão, mas sou cidadão", "Revolução do Vinagre", "Prefeito e governador, vem andar de ônibus", "Meu partido sou eu", "Somos o futuro da nação", "Chega, é hora de mudar o País" e "O Brasil acordou" estampavam as cartolinas dos manifestantes.


Após bala de borracha, de novo na rua
Sem nenhuma placa na mão, mas ainda com a ferida causada pela bala de borracha que a acertou no rosto, a professora aposentada Maria Bernadete de Carvalho, que foi atingida enquanto voltava para a casa durante a manifestação de quinta-feira passada (13), não teve medo de ir à passeata desta segunda (17).

Susan Souza
Maria Bernadete de Carvalho foi atingida por uma bala de borracha na semana passada e esteve no protesto na segunda-feira

A reportagem do iG encontrou a professora em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na avenida Morumbi, onde dois blocos organizados pelo Movimento Passe Livre se encontraram para finalizar o protesto.

Bernadete disse que se lembra das passeatas durante a ditadura militar e contou que suas aulas eram fiscalizadas por informantes do governo. "Às vezes, até falava algo a mais na classe só para testar se a diretoria ficaria sabendo. Pouco depois me chamavam e pediam para eu mudar alguma coisa", conta.

Sobre ter medo de participar das novas manifestações, mesmo após ter sido atingida durante a repressão da PM e com novo risco proporcionado pelo clima tenso em frente ao Palácio, ela afirma com a voz firme e brilho nos olhos: "não tenho medo porque confio no pessoal. Não vai ter nada".

A professora ainda relembrou mais dos tempos como educadora na censura dos anos 1970. "Meus textos falavam de liberdade, não tinha jeito. Eu dava aula para o que hoje é o ensino fundamental e não conseguia deixar de inserir a ideia de liberdade".

Leia tudo sobre: protestoigspsão paulomanifestaçãopasse livre

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas