Manifestantes ateiam fogo em veículo de emissora de TV em São Paulo; assista

Por iG São Paulo | - Atualizada às

Texto

Horas antes, em frente à sede da prefeitura, grupo tentou invadir o prédio e foi contido pela Guarda Civil Metropolitana; não há movimentação de PMs no local

Um grupo de manifestantes que protestava em frente à sede da Prefeitura de São Paulo ateou fogo a uma van da Rede Record que fazia a transmissão de imagens do protesto no local na noite desta terça-feira (18). Eles primeiro cercaram e picharam o veículo da emissora e tentaram derrubá-lo.

Em nota, a Record informa que os profissionais que participavam da cobertura saíram ilesos do local e que tem certeza de "que foi atacada por uma minoria de vândalos". A emissora diz ainda que a maior parte dos manifestantes já havia ido embora quando o incêndio aconteceu. 

Acompanhe ao vivo o 6º dia de manifestações em São Paulo

Na TV: Temendo por repórteres, Globo tira marca de microfones

Repórter:  Caco Barcellos é hostilizado por manifestantes em São Paulo

Vídeo do repórter Wanderley Preite Sobrinho


Horas antes, o clima já estava bem tenso na sede da prefeitura quando uma parte dos manifestantes furou o bloqueio e tentou entrar no prédio. Foram vistas cenas de vandalismo, embora outro grupo tentasse conter a ação gritando “Sem violência!”. Não há movimentação de Policiais Militares ou Tropa de Choque na região. 

Leia mais: 

Dilma, Lula e Haddad discutem redução de tarifa em São Paulo

Em São Paulo, passeata de 60 mil pessoas vira protesto contra 'tudo'

Após onda de protestos, oito cidades reduzem o valor do transporte público

Em onda de protestos, mais de 200 mil tomam as ruas do País

Os protestos registraram cenas hostis à Rede Globo também. Nesta terça-feira, na praça do Ciclista, uma equipe da emissora foi expulsa por um grupo de manifestantes. Ontem, um pequeno grupo que participava do ato convocado pelo Movimento Passe Livre decidiu protestar na sede da emissora na capital paulista.

Temendo por seus repórteres, a Globo se explicou no Jornal Nacional. Patrícia Poeta disse que a emissora "vem fazendo reportagens sobre as manifestações desde o seu início e sem nada a esconder". Também na segunda-feira, o jornalista Caco Barcellos, da Rede Globo, foi hostilizado e impedido de trabalhar por um grupo de aproximadamente 100 manifestantes. 

Leia a íntegra da nota da Record:

A Rede Record de Televisão vem a público informar que todos os profissionais que trabalhavam na transmissão ao vivo das manifestações em São Paulo escaparam ilesos do incêndio no caminhão usado para a captação de imagens.

O protesto na porta da Prefeitura de São Paulo que teve momentos de tensão com a tentativa de invasão do prédio já estava esvaziado.

A grande maioria dos manifestantes já tinha deixado o local em passeata. Por isso, a Record tem a certeza de que foi atacada por uma minoria de vândalos.

Antes que o carro saísse, um grupo atacou o veículo com pedras e depois colocou fogo nos equipamentos.

A Record reafirma o seu compromisso de transmitir com fidelidade o protesto pacífico de milhares de pessoas nas ruas brasileiras e lamenta apenas que pequenos grupos tentem impor as suas ideias pela violência.

São Paulo, 18 de junho de 2013.

REDE RECORD DE TELEVISÃO

Reprodução
Carro da Record pega fogo em frente à sede da Prefeitura de São Paulo

Veja imagens do 6º dia de protestos


    Leia tudo sobre: manifestaçãoigspsão paulo
    Texto

    notícias relacionadas