Manifestantes com cartazes perguntaram a policiais que estavam em frente a DP onde era a avenida 9 de Julho, caminho da passeata. PMs disseram a direção e desejaram boa sorte

Excluindo o confronto ocorrido no fim da noite na região do Palácio dos Bandeirantes e uma confusão na porta da estação Consolação do Metrô, na avenida Paulista, o protesto contra o aumento das passagens em São Paulo foi marcado pela boa relação entre policiais e manifestantes. Na porta do 78º DP, onde mais de 200 pessoas foram levadas para averiguação após o protesto mais violento na última quinta-feira , o clima foi de serenidade.

Brasil: Em onda de protestos, mais de 200 mil tomam as ruas do País
São Paulo: Protesto pacífico leva mais de 60 mil às ruas de São Paulo
Caco Barcellos é hostilizado por manifestantes em São Paulo
Manifestantes pedem e major da PM se senta em avenida em São Paulo; assista

O clima era tão ameno que sete manifestantes, com cartazes nas mãos, estavam tentando chegar na avenida Nove de Julho e pediram informações aos policiais que estavam em frente à delegacia. Os policiais prontamente indicaram o caminho e ainda desejaram boa sorte. Os jovens agradeceram e seguiram marchando.

O delegado Luis Francisco Segantin Jr., responsável pelo setor de inteligência da 1ª Delegacia Seccional, passou pelo DP e disse que já esperava que seria um movimento pacífico. "Está tudo tranquilo por aqui, não é mesmo?", perguntou ele para a reportagem. "Pode ficar certa de que não teremos nenhuma ocorrência nesse distrito por conta das manifestações. Hoje não vamos prender ninguém", completou.

Os advogados Camila Guedes André Lozano Andrade, ambos de 27 anos, estavam à espera de manifestantes detidos. Não filiados a partidos, ele alegaram que não estavam lá para "capitanear" clientes. Apenas queriam ajudar de algum jeito e se ofereceram para prestar serviço gratuito, mas não precisaram agir. Até 23h50, nenhuma ocorrência sobre os protestos foi registrada.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.